Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Ativistas do Climáximo colam-se a avião da TAP Lisboa-Porto

18 out, 2023 - 10:25 • Olímpia Mairos

Acusam o Governo e a indústria da aviação de estarem a matar descaradamente todos os dias milhares de pessoas com voos inúteis.

A+ / A-

Dois ativistas do Climáximo colaram-se esta quarta-feira a um avião da TAP, que ia fazer o trajeto Lisboa-Porto, no aeroporto Humberto Delgado.

Em comunicado, explicam que impediram a normalidade devido às emissões “absurdas, mortíferas” que estas ligações provocam “quando existem alternativas mais baratas e rápidas”.

“É um ato de insanidade permitir que estes voos continuem, é estar a ver a nossa casa a arder e atirar gasolina para o fogo”, acusam.

Alice Gato, uma das ativistas que se colou ao avião, defende que “este tipo de voos inúteis tem de ser a primeira coisa a ser travada na indústria genocida da aviação, incentivada pelo nosso governo a continuar a sua expansão - agora com a construção de um novo aeroporto - quando sabemos que precisamos de cortar emissões urgentemente, e que cada dia que não o fazemos estamos a condenar à morte mais pessoas em Portugal”,

Segundo esta porta-voz, o Governo “não só continua a atirar gasolina para a fogueira, como ainda atira areia para os nossos olhos”.

Realçando que “em Portugal há hoje menos ferrovia que no século passado” e em que se encerram “mais de 100 estações quando nós precisamos de transportes públicos renováveis, gratuitos e de qualidade”, os ativistas acusam o Governo de não ter “qualquer plano para garantir a nossa sobrevivência”.

“Se estamos entregues a governantes que conscientemente condenam milhares à morte, temos o dever de resistir”, assinalam.

O coletivo Climáximo, que já realizou múltiplas ações este mês, afirmou em comunicado que esta ação faz parte do seu “plano de desarmamento, que passa inicialmente por cortar drasticamente as emissões que estão a condenar milhares de pessoas à morte”, enfatizando as emissões que considera “mais desnecessárias e possíveis de cortar hoje, e o “cancelamento do novo aeroporto que visa expandir a capacidade de matar, ao aumentar emissões”.

O grupo afirma que o fim imediato destes voos necessita de ser seguido por “uma redução drástica na indústria da aviação, acompanhada pela expansão da ferrovia e criação de um serviço público de transportes coletivos públicos, renováveis e gratuitos, garantindo a transição justa dos trabalhadores do setor da aviação para um setor de transportes seguro”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    18 out, 2023 PORTUGAL 10:12
    Sem dúvida alguma, há alternativas mais baratas e TALVEZ mais rápidas. Vejamos: um burro custa mais ou menos 500 €. Nos alforges, pode levar a bagagem do VIAJANTE e um poco mais. Então, vejam quantos BURROS podiam ser comprados com o CUSTO da aquisição de UM avião. Assim uma viagem ficaria mais barata, pois o CONDUTOR do BURRO até faria a viagem pelo prazer de o conduzir pela rédea. Mais rápida, ponham os viajantes a fazer a viagem de TRAUTINETA, uma vez que ELAS passam por mim como FOGUETES. Como Alguém diz, é a LOUCURA MANSA.

Destaques V+