Tempo
|
A+ / A-

Metro do Porto prevê expansão da rede de pelo menos 37 quilómetros e 38 estações

13 out, 2023 - 16:01 • Ana Fernandes Silva , com Lusa

Apresentação da expansão da rede foi apresentada esta sexta-feira. O presidente da Metro do Porto quer atingir os 150 milhões de passageiros anuais até ao final da década.

A+ / A-

A Metro do Porto prevê uma expansão de 37 quilómetros e 38 estações. Em causa estão as linhas que vão passar por Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto e Trofa, de anunciou esta sexta-feira o presidente da Metro do Porto. Tiago Braga falava durante a apresentação feita no Auditório Municipal de Gondomar.

Tiago Braga fixou hoje os 150 milhões de validações anuais como objetivo para a empresa até ao final da década.

"Esta ambição significa multiplicar por três o número de passageiros que a Metro do Porto servia em 2015", revela o responsável.

Em causa estão as linhas ISMAI - Muro - Trofa (metro até Muro e 'metrobus' até Paradela), Gondomar II (Dragão - Souto), Maia II (Roberto Frias - Parque Maia - Aeroporto) e São Mamede (IPO - Estádio do Mar), que foram apresentadas no Auditório Municipal de Gondomar, no distrito do Porto, na presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, e dos autarcas da região.

"Este exercício de planeamento, que designamos por Metro 3.0, encontra-se alinhado com as expectativas que os 80 milhões de clientes que a Metro do Porto estima transportar durante o ano de 2023, mais de 10% acima do valor recorde atingido em 2019, antes da covid", adiantou também Tiago Braga.

De acordo com o presidente da Metro do Porto, a extensão da rede tem "fundamentos distintos da primeira fase da Metro, privilegiando hoje uma lógica mais circular, mais em anel, com uma estrutura verdadeiramente em rede".

O objetivo da Metro do Porto é ter "condições para competir com uma sociedade com uma grande apetência pelo transporte individual", que "ainda é utilizado por cerca de 75% dos cidadãos da Área Metropolitana do Porto".

Tiago Braga frisou que os novos investimentos permitirão "mitigar um dos problemas mais graves com que as cidades se confrontam atualmente, que é o congestionamento".

"Estas oito operações [as quatro novas linhas, o 'metrobus' da Boavista as Linhas Rosa e Rubi e a extensão da Linha Amarela], que entrarão ao serviço de uma por ano até ao final da década só serão importantes porque significam uma redução potencial de mais de 100 mil toneladas de CO2", frisou ainda o responsável da empresa.

O ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, frisou que é necessário "acelerar, e é muito importante a Metro do Porto dar este sinal", já que "transportes coletivos mais acessíveis e de maior qualidade são uma necessidade imperiosa" para avançar nos objetivos da descarbonização.

Duarte Cordeiro frisou que as estimativas da Metro do Porto "indicam que as novas linhas vão transportar mais 24 milhões de passageiros" anualmente.

A cerimónia contou também com a presença do primeiro-ministro. António Costa refere que as novas linhas de Metro representam "um passo fundamental" e salienta que "a urgência climática exige exigência na ação".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+