Tempo
|
A+ / A-

Protesto climático

Ativistas ambientais voltam à carga e estilhaçam fachada da sede da REN

07 out, 2023 - 10:23 • Redação com lusa

Em Lisboa, os ativistas já bloquearam a Segunda Circular e a Estrada de São Bento, cortaram o transito na Avenida de Roma e pintaram a fachada da sede da REN de vermelho.

A+ / A-

O vidro da fachada da sede da REN, em Lisboa, foi estilhaçado, ao inicio da manhã deste sábado, por duas ativistas da Climáximo que acusaram aquela empresa de conspirar com o Governo para “expandir a sua infraestrutura que mata”.

Num comunicado intitulado "Não podemos consentir com empresas que matam", a Climáximo explica que a ação das ativistas foi feita no âmbito do “plano de desarmamento” do coletivo que “passa por nem mais um projeto que aumente emissões de gases com efeito de estufa, como a expansão do terminal de gás fóssil liquefeito da REN em Sines”.

Este foi o quinto dia de protesto da Climáximo, que se define como “um coletivo aberto, horizontal e anticapitalista” de defesa do clima. Nos últimos dias, o grupo interrompeu a normalidade “para alertar [contra] a guerra que as empresas e governos estão a travar contra a sociedade”.

Em Lisboa, os ativistas já bloquearam a Segunda Circular e a Estrada de São Bento, cortaram o transito na Avenida de Roma, pintaram a fachada da sede da REN de vermelho e hoje partiram um vidro da mesma empresa.

“Não está tudo bem. A própria OMS [Organização Mundial de Saúde] diz que a crise climática está a matar centenas de milhares de pessoas todos os anos, e os culpados não têm qualquer plano viável para parar. Não podemos continuar a consentir que estas empresas assassinas existam em público como se nada fosse”, explica no texto um dos ativistas que se auto denomina de Ideal, explicadora de Biologia e Geologia, e Física e Química.

O coletivo propõe, “em vez” dos planos da REN, eletricidade 100% renovável e acessível até 2025, o único plano compatível com a exigência da ONU de fim ao fóssil até 2030.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+