A+ / A-

JMJ: Palco do Parque Tejo foi retirado e guardado para "utilizações futuras"

06 out, 2023 - 19:29 • Lusa

Autarquia assegura que a retirada da estrutura do palco "sempre esteve prevista" e que o valor final da empreitada "já contemplava essa intervenção".

A+ / A-

A Câmara de Lisboa retirou e guardou, "tal como previsto", a estrutura do palco instalado no Parque Tejo Trancão para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que ficará disponível para "utilizações futuras", disse esta sexta-feira à Lusa fonte da autarquia.

As dúvidas sobre o destino dado à estrutura que serviu de palco ao Papa Francisco durante as cerimónias da JMJ no Parque Tejo Trancão, em 5 e 6 de agosto, foram levantadas em publicações recentes nas redes sociais.

Em algumas publicações, pode ver-se uma fotografia em que só é visível a base e a cobertura do palco, sugerindo-se que a estrutura "desapareceu".

"O palco que custou quatro milhões desapareceu. Ficou a cobertura, que custou um milhão e meio, mas o Moedas [presidente da Câmara Municipal de Lisboa] disse que ia ser um equipamento essencial para a cidade no futuro", pode ler-se numa das publicações.

104 horas em 104 segundos. Os melhores momentos do Papa na JMJ
104 horas em 104 segundos. Os melhores momentos do Papa na JMJ

Contactada pela agência Lusa, fonte da Câmara Municipal de Lisboa assegura que a retirada da estrutura do palco "sempre esteve prevista" e que o valor final da empreitada "já contemplava essa intervenção".

"O valor final do altar-palco do Parque-Tejo foi de 2,9 milhões de euros. A estrutura do palco foi retirada, como previsto, e é um custo que está incluído no valor final da empreitada", é referido no esclarecimento da autarquia, que ressalva que as estruturas ficarão guardadas e ao serviço da Câmara de Lisboa "para utilizações futuras".

Na nota é ainda acrescentado que tudo o que "estava relacionado com estruturas metálicas e andaimes, que tinham sido alugados, foram devolvidos".

"A base do palco e a cobertura manter-se-ão, como previsto, bem como todas as infraestruturas que ali foram instaladas por causa da JMJ e que se irão manter: energia, saneamento, água potável, rega com água, entre outras que permitirão a realização de qualquer tipo de eventos nesta zona", indica o município.

O palco-altar no Parque Tejo esteve envolvido numa polémica sobre o seu custo, que resultou, em fevereiro, na redução do valor de 4,2 milhões de euros para 2,9 milhões - assegurados pela Câmara de Lisboa.

A JMJ de Lisboa, que se realizou entre 1 e 6 de agosto, juntou cerca de 1,5 milhões de jovens no Parque Tejo (Lisboa) para uma missa e uma vigília, com a presença do Papa Francisco.

A próxima JMJ realiza-se dentro de quatro anos em Seul, na Coreia do Sul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+