Tempo
|
A+ / A-

Urgência da Guarda em risco de fechar por falta de médicos

26 set, 2023 - 13:17 • Lusa

Médicos entregaram à administração da Unidade Local de Saúde da Guarda um pedido para que, por terem atingido o limite anual das 150 horas extraordinárias, não lhes seja fixado "qualquer trabalho suplementar".

A+ / A-

Um grupo de médicos do hospital da Guarda recusa-se a fazer mais horas extraordinárias por ter sido atingido o limite anual, estando em causa o funcionamento da Urgência, havendo o risco de fechar alguns dias.

A indisponibilidade dos médicos para fazer mais horas extraordinárias impossibilita o preenchimento total das escalas já no mês de outubro, confirmou à agência Lusa a diretora do serviço de Urgência, Adelaide Campos.

"Vai haver dias em que as equipas não se podem formar, porque não há número de especialistas suficientes para cada uma das equipas e, portanto, a Urgência pode ter que encerrar", admite a diretora do serviço de Urgência.

Os médicos entregaram à administração da Unidade Local de Saúde da Guarda o pedido para que, por terem atingido o limite anual das 150 horas extraordinárias, não lhes seja fixado "qualquer trabalho suplementar com eventual reformulação das escalas do serviço de urgência existentes", refere o documento a que a Lusa teve acesso.

A diretora da Urgência alerta para a possibilidade de os doentes terem de ser transferidos para outros hospitais, devido à falta de resposta.

"Mas se os outros hospitais estiverem na mesma situação, cada um vai ter de resolver os seus problemas. Estamos a transformar esta situação numa incapacidade de resolução de problemas", sublinha.

Adelaide Campos diz esperar que "o senhor ministro da Saúde e o CEO do SNS [Serviço Nacional de Saúde] percebam aquilo que se pode vir a passar nas próximas semanas".

A diretora realça que o limite das horas extraordinárias já foi atingido há muito tempo e que "esta situação não se pode manter".

"Não podemos ter um distrito de 160 mil habitantes sem hospital que receba doentes urgentes. Não é viável, não é possível", alerta.

O presidente do Conselho sub-regional da Guarda da Ordem dos Médicos, João Pedro Silva, manifesta-se solidário com os colegas.

Apesar de ser uma matéria de cariz sindical, salienta que "o problema se reflete na prestação dos cuidados de saúde".

Na sua opinião, a situação "mostra a fragilidade do SNS e do hospital da Guarda, que tem muitas especialidades com falta de médicos. Sem médicos não é possível manter os serviços abertos".

João Pedro Silva realça que muitos dos médicos atingiram o limite de horas extra em fevereiro e março. "Tiram tempo do seu descanso, da sua vida familiar, para estar a trabalhar", sublinha.

A indisponibilidade dos médicos para fazer mais horas extraordinárias tem-se registado noutras unidades de saúde do país.

A Lusa contactou a administração da ULS da Guarda sobre o assunto, mas às 12h30 ainda não tinha obtido resposta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+