A+ / A-

Incêndios

Liga dos Bombeiros apresenta queixa-crime contra presidente da AGIF

26 set, 2023 - 13:12 • Lusa

“A razão da queixa é porque até agora nunca apresentou desculpas aos bombeiros”, diz António Nunes.

A+ / A-

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) apresentou esta terça-feira uma queixa-crime contra o presidente da Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF), Tiago Oliveira, por alegadas ofensas aos bombeiros.

O presidente da LBP, António Nunes, avançou à Lusa que a queixa-crime deu entrada no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa e refere-se “a ofensas proferidas por Tiago Oliveira contra os bombeiros, insinuando que estes recebem do Estado em função da área ardida”.

Em causa estão as declarações no Parlamento, em julho, do presidente da AGIF, tendo Tiago Oliveira questionado o facto de os “corpos de bombeiros receberem em função da área ardida”, o que considerou um “objetivo perverso”.

Na ocasião, Tiago Oliveira afirmou ainda que “há municípios a gastar meio milhão de euros, uma barbaridade de dinheiro nos bombeiros, quando não gastam dinheiro a gerir a floresta”, sendo necessário equilibrar a prevenção e o combate.

Perante estas declarações, a LBP exigiu um pedido de desculpas e a demissão de Tiago Oliveira.

O presidente da LBP afirmou que o presidente da AGIF devia ter pedido desculpas aos bombeiros, mas isso não aconteceu.

“A razão da queixa é porque até agora nunca apresentou desculpas aos bombeiros”, disse, sublinhando que a LBP deu “espaço de tempo” a Tiago Oliveira para que tal sucedesse.

A LBP vai ser hoje à tarde ter uma reunião na Comissão de Agricultura e Pescas da Assembleia da República, encontro que foi pedido pela Liga na sequência das declarações de Tiago de Oliveira na mesma comissão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+