A+ / A-

"Era o que faltava retirar o que já disse". Mamadou Ba reage a decisão do Ministério Público

20 set, 2023 - 15:34

O ativista antirracismo apelou à juíza do julgamento que "tenha mais consciência da responsabilidade" e diz que MP capitulou perante "manobras de manipulação da extrema-direita".

A+ / A-

O ativista antirracismo Mamadou Ba criticou hoje a decisão do Ministério Público (MP) de acompanhar a queixa particular apresentada contra si pelo militante nacionalista Mário Machado e defender em julgamento a aplicação de uma pena de multa.

À saída do Juízo Local Criminal de Lisboa, onde decorreram hoje as alegações finais do processo em que a procuradora pediu a aplicação de uma pena de multa a Mamadou Ba por escrever uma frase que afetou a honra de Mário Machado, o ativista antirracismo considerou que esta e outras posições confirmam "a capitulação do MP perante as manobras de manipulação da extrema-direita".

Em causa neste julgamento está uma frase escrita por Mamadou Ba na rede social Twitter (atualmente chamada X), na qual o ativista antirracismo considerou Mário Machado uma das figuras principais do assassínio do cidadão cabo-verdiano Alcindo Monteiro em 1995.

Mamadou Ba argumentou que o MP deve “defender o interesse público” e não devia ter acompanhado a queixa particular de Mário Machado, tendo ainda criticado o juiz de instrução criminal Carlos Alexandre por ter decidido levar este processo a julgamento.

"À magistrada do MP, portanto, recomendariam no mínimo, em nome da saúde democrática do nosso regime, que o MP se pudesse limpar do que eu considero ter sido uma das maiores burradas institucionais cometida pelo juiz Carlos Alexandre", disse o ativista antirracismo, apelando a que a juíza de julgamento "tenha mais consciência da responsabilidade que neste momento tem em cima da mesa, que é saber o que é que o Estado de direito tem de fazer perante uma circunstância como esta".

Mamadou Ba reiterou tudo o que afirmou sobre Mário Machado, incluindo aquilo que o levou a julgamento, dizendo: "Era o que faltava retirar seja o que for que já disse".

Por seu lado, José Manuel Castro, advogado de Mário Machado, lembrou que o próprio MP aludiu ao ruído que se fez em torno deste processo, com a defesa de Mamadou Ba a fazer "rolar uma série de notáveis da sociedade política" e de uma "determinada área política", por forma a transformar este caso num "processo político", desfocalizando assim o verdadeiro objeto do processo em julgamento.

O advogado precisou que, no caso concreto, o que interessou saber, perante a frase proferida por Mamadou Ba, foi a de apurar se Mário Machado esteve ou não envolvido, se matou ou não matou Alcindo Monteiro, independentemente de o militante nacionalista ter ou não um passado controverso.

"O MP, e muito bem, não se deixou intimidar por fenómenos sociais e políticos", realçou José Manuel Castro, dizendo esperar também que o tribunal atue com independência, cingindo-se ao processo, e consequentemente condene o arguido pela ofensa à honra de Mário Machado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luiz
    21 set, 2023 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS 11:16
    O MP, parece pertencer ao Clube do Mario Machado!
  • Sofia
    21 set, 2023 lisboa 10:37
    No império romano a nacionalidade era concedida pelo ius soli (era nacional quem nascia no território) ou pelo ius sanguinis (era nacional quem tinha pai ou mãe daquela nacionalidade). Mais de 500 anos depois, a civilização regride concedendo nacionalidade (sem critério) a pessoas que escolhem um país para viver, não porque gostem desse país ou sintam afinidade por quem lá vive, mas porque o querem destruir e refundar à sua maneira. Para isso criam fraturas na sociedade, põem em causa a cultura e as instituições democráticas, que sustentam o estado de direito. É inadmissível que este cidadão discurse irresponsavelmente contra órgãos de soberania e desrespeite os tribunais e os magistrados. Espero que o MP actue exemplarmente.

Destaques V+