A+ / A-

Greve de médicos. Hospital de Leiria com "espera prolongada"

09 ago, 2023 - 18:27 • Teresa Paula Costa com redação

Apesar dos serviços mínimos decretados para situações urgentes, utentes relatam problemas no serviço.

A+ / A-

A espera nas urgências na região Centro tem sido "especialmente prolongada", apesar dos serviços mínimos decretados à greve de dois dias de médicos na região, para situações urgentes.

Elsa Duarte, natural de Alcobaça, deu entrada no Hospital de Leiria de madrugada e, segundo a filha, ainda não tinha sido atendida passadas 12 horas, apesar de lhe ter sido atribuída a pulseira amarela.

“Fui visitar a minha mãe. Ela deu entrada pelas 6h00 da manhã e foi-lhe atribuída a pulseira amarela. Os exames eram só a partir das 14 horas. Agora o meu pai está a aguardar”, afirmou a filha Jéssica.

O impacto da greve dos médicos também se faz sentir no serviço de Consulta Externa, "embora menos", como descreveu Vítor Santos, que teve a sua consulta naturalmente, mas notou muito menos pessoas na sala de espera.

“Vi muito menos gente, esse impacto notei. Mas como está um dia de sol e verão, pensei que, como noutros serviços, também no hospital houvesse menos pessoas. Afinal é a greve”, explica Vítor à Renascença.

A greve iniciada por médicos na região junta-se às horas extras nos cuidados de saúde primários, que ainda decorre, e à greve nacional de final de julho.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM), que convocou a greve, aponta para uma adesão a rondar os 95% neste primeiro dia de greve. O sindicato lamenta os constrangimentos que poderá causar, lembrando que não é possível manter a qualidade e segurança dos cuidados prestados do Serviço Nacional de Saúde (SNS), nem sua a sustentabilidade financeira, recorrendo "ao trabalho desumano dos médicos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+