Tempo
|
A+ / A-

Santa Casa. Ana Jorge considera que entidades desportivas fizeram "sururu" sobre redução dos apoios

09 set, 2023 - 21:22 • Lusa

A Provedora da Santa Casa da Misericórdia garantiu ainda que a intervenção social não está em risco.

A+ / A-

A provedora da Santa Casa da Misericórdia, Ana Jorge, considerou hoje que as entidades desportivas fizeram "um "sururu"" sobre a redução de apoios no desporto e insistiu que a intervenção social desta organização não está em causa.

Em declarações aos jornalistas à margem da Academia Socialista, que termina no domingo, em Évora, a provedora da Santa Casa da Misericórdia explicou que "os apoios ao desporto mantêm-se porque o desporto recebe das receitas dos jogos sociais diretos, e isso não fica com nenhuma alteração".

Ana Jorge acrescentou que "o que a Santa Casa tinha eram subsídios extra a algumas áreas, onde está também incluído o desporto".

"Quando chegámos e percebemos que havia algumas dificuldades financeiras pensámos que o melhor era falar e escrever a todos a dizer que estaríamos a pensar poder ter que alterar e não estava seguro que se pudesse manter aquele apoio. E escrevemos a todos, não foi só ao desporto. As entidades desportivas é que ficaram muito inquietas e fizeram todo aquele, deixem-me dizer, "sururu"", considerou, mesmo reconhecendo a importância destes apoios.

No entanto, na opinião da provedora, a Santa Casa "tem de olhar para as suas preocupações maiores e a sua missão".

"A sua missão é fundamentalmente a intervenção social e da saúde, e da cultura, que é isso que faz parte dos seus estatutos, para a qual existe e para a qual recebe a percentagem do jogo", acrescentou, adiantando que "o dinheiro não chegava para tudo".

Ana Jorge garantiu ainda que a intervenção social da Santa Casa da Misericórdia não está em risco.

"A intervenção social não pode estar em risco e, portanto, o que temos que fazer é criar estas medidas para que mantenhamos a função social e reorganizar algumas formas de trabalhar dentro da Santa Casa, de compras, para poder assegurar que toda a área social se mantém", afirmou.

Através de cartas assinadas pela provedora Ana Jorge, que assumiu funções em maio, a Santa Casa da Misericórdia tinha avisado as federações desportivas e o Comité Olímpico de Portugal (COP) para a necessidade de rever os seus apoios, medida assente na "conjuntura económico-social", que veio determinar "novas exigências" junto das "populações mais vulneráveis".

Em 23 de agosto, após uma reunião entre as duas partes, a secretaria de Estado da Juventude e do Desporto anunciou que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) manterá este ano os patrocínios às entidades desportivas, que, em 2024, passam a ser repartidos pela organização e pelo Governo, sem revelarem a contribuição de cada uma.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+