Tempo
|
A+ / A-

Primeira mulher assume cargo na direção nacional da PSP

07 set, 2023 - 14:28 • Lusa

Paula Peneda passa a exercer funções como diretora nacional adjunta de recursos humanos da PSP.

A+ / A-

A direção nacional da Polícia de Segurança Pública vai ter pela primeira vez uma mulher polícia, com a nomeação de Paula Peneda como diretora nacional adjunta de recursos humanos, indicou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna (MAI).

Em comunicado, o MAI avança que o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, aceitou os nomes propostos pelo novo comandante-geral da Guarda Nacional Republicana e novo diretor da Polícia de Segurança Pública para as cúpulas destas duas forças de segurança.

Segundo o MAI, Paulo Silvério, que desde 2021 desempenha funções de Comandante da Unidade de Intervenção da GNR, é o novo segundo comandante-geral da corporação.

A estrutura de topo da PSP passa a integrar Paula Peneda como diretora nacional adjunta de recursos humanos, Paulo Lucas como diretor nacional adjunto de operações e segurança, Bastos Leitão como diretor nacional adjunto de logística e finanças e Paulo Pereira como inspetor nacional.

Paula Peneda é comandante do Comando Metropolitano do Porto da PSP desde 2020, Paulo Lucas, que é o atual comandante da Unidade Especial de Polícia, regressa à direção nacional da Polícia de Segurança Pública 11 anos depois de sair, Paulo Pereira é atualmente comandante do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP e Bastos Leitão é desde 2019 diretor do Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

O novo comandante-geral da GNR, Rui Veloso, o primeiro oficial oriundo da Guarda a comandar a instituição, e o novo diretor da PSP, José Barros Correia, tomaram posse na passada segunda-feira e substituíram no cargo José dos Santos Correia e Manuel Magina da Silva respetivamente.

Foram esta quinta-feira publicadas em Diário da República as concessões de louvores e medalhas de serviços distintos de segurança pública, grau ouro, a José dos Santos Correia, da Guarda Nacional Republicana, e a Manuel Magina da Silva, da Polícia de Segurança Pública.

No louvor, o ministro da Administração Interna destaca a "prestimosa e incansável intervenção" do ex-comandante da GNR na adequação dos procedimentos internos e da atividade operacional às medidas extraordinárias e de caráter urgente durante a pandemia de covid-19, bem como o papel que desempenhou ao nível da cooperação e da colaboração internacional.

José Luís Carneiro realça também o papel desempenhado pelo diretor da PSP durante a pandemia, além de ter determinado "um novo impulso no âmbito do policiamento de proximidade e de visibilidade".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+