Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Primeiro ministro pede maior colaboração entre a GNR e a PSP

04 set, 2023 - 11:51 • Lusa

Na tomada de posse das chefias da GNR e PSP, Costa alertou que a "produção de segurança é tarefa exigente e colaborativa" e obriga a uma "cultura de segurança na sociedade".

A+ / A-

O primeiro-ministro pediu nesta segunda-feira maior coordenação e colaboração na ação entre a PSP e a GNR, frisando que estas forças de segurança têm cada vez mais competências, designadamente na prevenção e investigação da criminalidade.

António Costa transmitiu esta posição no encerramento da cerimónia de posse dos novos comandante-geral da GNR, tenente-general Rui Veloso, e diretor nacional da PSP, superintendente-chefe Barros Correia, que decorreu no Ministério das Finanças.

"Esta cerimónia reveste-se de um simbolismo muito especial. Pela primeira vez, temos uma cerimónia comum de posse do comandante-geral da GNR e do diretor nacional da PSP e com ela reafirmamos simultaneamente, quer a natureza dual do nosso sistema de forças de segurança - uma de natureza militar, outra de natureza civil -, mas reafirmamos também a determinação de ambas trabalharem, no respeito pelas competências próprias de cada uma, em estreita cooperação, colaboração e camaradagem no desempenho da missão comum de garantir a segurança dos cidadãos", declarou o primeiro-ministro.

Com os ministros da Administração Interna e da Defesa, bem como com os diretor nacional da PJ, a procuradora geral da República e o presidente da Câmara de Lisboa a escutarem a sua intervenção, António Costa acentuou que a produção de segurança é cada vez mais uma tarefa exigente e colaborativa.


"Exige uma cultura de segurança na sociedade", advertiu, antes de estender a obrigatoriedade de coordenação entre GNR e PSP ao conjunto do sistema das Forças Armadas e demais forças de segurança.

Controlo de fronteiras traz novos desafios

Na sua intervenção, o primeiro-ministro elogiou a ação da PSP e da GNR e referiu os crescentes desafios a que estão sujeitas, nomeadamente, agora, com funções ao nível do controlo das fronteiras.

"A GNR e a PSP já não limitam a sua ação à manutenção da ordem pública, à segurança de pessoas e bens e à regulação do trânsito. Hoje são polícias integrais, assumem um papel decisivo na prevenção da criminalidade, na investigação criminal e respondem à evolução da sociedade na exigência do combate à violência doméstica, no reforço da segurança nas escolas, no acompanhamento de idosos isolados ou na promoção do bem-estar animal", observou o líder do executivo.

António Costa frisou ainda que a PSP e GNR já não limitam as suas missões ao território nacional e integram diversas missões internacionais no âmbito da cooperação ou sob a égide da ONU ou da União Europeia.

Na parte final da sua intervenção, o primeiro-ministro procurou destacar a ideia de que a PSP e GNR representam um fator de confiança na sociedade portuguesa, e deixou uma garantia.

"Por mim, resta-me confirmar o compromisso do Governo de determinação na execução dos objetivos de valorização da GNR e da PSP", declarou.

Chefias escolhidas em conjunto no Governo

Segundo o Governo, a escolha de Rui Veloso para comandante-geral da GNR foi uma decisão tomada em conjunto pelo primeiro-ministro, António Costa, pela ministra da Defesa, Helena Carreiras, e pelo ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro.


Já a escolha de Barros Correia para diretor nacional da PSP foi tomada em conjunto pelo primeiro-ministro e pelo ministro da Administração Interna.

O tenente-general Rui Veloso, 53 anos, foi promovido ao atual posto no dia 16 de agosto de 2023 e vai ser o primeiro comandante-geral da GNR oriundo da própria Guarda, até agora comandada por oficiais generais do Exército.

Atual segundo comandante-geral da Guarda, Rui Veloso comandou ainda o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (atual Unidade de Emergência de Proteção e Socorro), tendo ainda desempenhado quatro missões no estrangeiro.

O superintendente-chefe Barros Correia, 58 anos, ocupa desde 2018 o cargo de secretário-geral dos Serviços Sociais da PSP, tendo exercido as funções de presidente do Grupo de Cooperação Policial da União Europeia durante a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, comandante regional dos Açores e oficial de ligação do Ministério da Administração Interna na Embaixada de Portugal na República Democrática de São Tomé e Príncipe.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+