Tempo
|
A+ / A-

"Vai ser drástico". Paragem na Autoeuropa preocupa trabalhadores

01 set, 2023 - 02:38 • Redação

Comissão de Trabalhadores assume preocupações com a anunciada suspensão na produção. Pretende assegurar, junto da administração, que vão ser mantidos os salários durante o lay-off.

A+ / A-

A produção do Volkswagen T-Roc na fábrica da Auroeuropa, em Palmela, vai ser suspensa entre os dias 11 de setembro e 12 de novembro. Em causa, segundo a empresa do grupo Volkswagen, está “a falta de peças produzidas por um fornecedor na Eslovénia e que são essenciais à construção de motores”.

Face a este anúncio, Rogério Nogueira, da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, assume preocupações. “Estamos a falar em nove semanas no pior cenário, esperemos que seja menos. No entanto, não iremos produzir carros até que o problema esteja resolvido. Economicamente, para a fábrica e em termos de volume de produção, vai ser drástico", adianta à Renascença.

O responsável pela Comissão de Trabalhadores revela que a prioridade é garantir salários e reduzir ao máximo o impacto da medida durante o regime de lay-off. “Os menos culpados desta situação são os trabalhadores da empresa", relembra.

"Iremos fazer tudo para que esta paragem não tenha impacto nos rendimentos nem na vida dos trabalhadores. Penso que a empresa tem condições para garantir que isso aconteça, que os trabalhadores tenham a garantia de que recebem os seus salários na totalidade. Temos perto de cinco mil trabalhadores. Ao que parece nem todos vão ficar em lay-off, mas estamos a falar numa grande maioria, seguramente mais de metade".

Cerca de dez mil trabalhadores podem ser afetados

Rogério Nogueira antecipa que a suspensão da produção prevista terá um forte impacto nas empresas alojadas no parque industrial da Autoeuropa. Em causa estão empresas dedicadas à produção de vários componentes, como, por exemplo, bancos, tapetes e outros acessórios.

“A grande maioria dessas empresas trabalha quase exclusivamente para a Autoeuropa e, uma vez que a Autoeuropa vai parar, essas empresas também vão parar. Temos informações de que algumas vão entrar também em lay-off". O responsável acredita que, "entre forneedores e Autoeuropa", a situação deverá afetar "à volta de dez mil pessoas”.

Rogério Nogueira estima que seja esse o número de trabalhadores a sentir diretamente os efeitos da suspensão da produção, “numa altura em atravessamos uma crise na inflação”.

A edição desta sexta-feira do Jornal Económico destaca que a Autoeuropa vai avançar para rescisões de trabalhadores temporários. A administração da Autoeuropa e a Comissão de Trabalhadores têm uma primeira reunião agendada já para a próxima segunda-feira, 4 de setembro.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+