Tempo
|
A+ / A-

Portugal recebeu 87 pedidos para localizar alegados intervenientes na guerra na Ucrânia

30 ago, 2023 - 18:16 • Lusa

Nenhuma das pessoas alegadamente envolvidas no conflito estava em Portugal em 2022. O país recusou extradições para a Bielorrússia e Índia.

A+ / A-

As autoridades portuguesas receberam em 2022 um total de 87 pedidos de localização de cidadãos com alegada intervenção na guerra na Ucrânia, não tendo havido qualquer caso localizado em Portugal, segundo um relatório do Ministério Público (MP).

"As autoridades portuguesas foram destinatárias de 87 pedidos de localização de cidadãos alegadamente intervenientes no conflito, não tendo sido localizados em território nacional", lê-se no relatório síntese da atividade do MP em 2022, divulgado esta quarta-feira.

Sobre processos de extradição, o relatório adianta que dos 69 procedimentos desencadeados em 2022, entre pedidos feitos por Portugal e pedidos recebidos de outros Estados, resultaram cinco entregas de cidadãos e outros cinco recebidos pelas autoridades portuguesas.

"Desencadeados a partir de 2022 destacam-se procedimentos de extradição a pedido da Bielorrússia que, já em 2023, foram recusados, atendendo à situação de direitos humanos naquele Estado, e um procedimento de extradição com a Índia, que foi recusado por insuficiência de garantias em caso de prisão perpétua", lê-se no relatório.

Em relação aos mandados europeus de detenção, em 2022 Portugal recebeu 105 pedidos, dos quais 70 foram executados, sendo a Alemanha (17), Espanha (14) e França (13) os principais destinatários dos mandados executados.

Já Portugal emitiu 165 mandados de detenção europeus, tendo-lhe sido entregues 86 cidadãos procurados pelas autoridades judiciárias portuguesas.

"Não em execução de mandados de detenção europeus, mas na sequência da inserção do Mandado no Sistema de Informação Schengen, foram entregues a Portugal oito pessoas pelas autoridades suíças. Assinale-se, ainda, que o Reino Unido, através do Trade and Cooperation Agreement (TACA), entregou 13 pessoas às autoridades portuguesas e estas executaram positivamente quatro mandados do TACA", acrescenta o relatório.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+