A+ / A-

Ordem dos Médicos. Novas ULS não podem ser "fracasso" como as atuais

30 ago, 2023 - 12:35 • Hugo Monteiro

Bastonário defende que a criação de novas Unidades Locais de Saúde (ULS) só será útil se não replicar o modelo já em vigor, que classifica como um fracasso.

A+ / A-

Em reação ao anúncio da criação de mais 31 unidades locais de saúde pelo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde (SNS), Carlos Cortes volta a levantar dúvidas sobre o processo, no qual, diz, a Ordem não foi ouvida e que pouco conhece.

Em entrevista à Renascença, o bastonário da Ordem dos Médicos alerta que, “se estas ULS forem uma cópia daquelas que já existem no país, nós estamos perante um problema sério”. “Atualmente, as ULS, na esmagadora parte do país, estão a funcionar, infelizmente, muito mal, com muito poucos recursos e com muito pouco apoio por parte do Ministério da Saúde e da Direção Executiva do SNS”, explica. Conclui, depois, que, “se a proposta de criação de mais ULS for substancialmente diferente, podemos ter aqui uma oportunidade de melhorar aquilo que é, ostensivamente, um fracasso de reforma do SNS, que são as atuais ULS”.

Carlos Cortes lamenta que “a direção executiva tenha sempre trabalhado nestas matérias em secretismo, nunca envolvendo os parceiros” do setor. Por isso, o Bastonário da Ordem dos Médicos espera conhecer mais pormenores na reunião que vai manter com Fernando Araújo na próxima semana.

Uma reforma para os utentes que não resolve a falta de médicos

Já o presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública acredita que o novo modelo vai permitir uma resposta mais rápida e de maior proximidade para os utentes, “com a maior proximidade entre hospitais e centros de saúde”. No entanto, Gustavo Tato Borges alerta que não irá resolver “o problema da falta de profissionais” no SNS. Este responsável explica que “esta mudança na organização está centrada na prestação de cuidados ao utente e na maior rapidez e articulação entre diferentes níveis de cuidados, beneficiando o cidadão que está com alguma necessidade de saúde”.

Gustavo Tato Borges elogia o facto de o novo modelo ter uma ampla cobertura nacional, uma vez que “este número de ULS, em princípio, deve cobrir o país todo”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    30 ago, 2023 Palmela 15:06
    Nesse caso vamos todos ficar aluados?

Destaques V+