Tempo
|
A+ / A-

FNAM

Nova greve dos médicos. FNAM acusa Governo de "má fé e falta de competência"

28 ago, 2023 - 15:02 • Redação

Federação Nacional dos Médicos alerta que paralisações não vão parar enquanto Governo não der resposta à sua contraproposta. Próxima greve está já marcada para meados de novembro.

A+ / A-

A presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), Joana Bordalo e Sá, acusou esta segunda-feira o Ministério da Saúde de "falta de vontade política, má fé e falta de competência em resolver a situação" de tensão com os profissionais de saúde.

Quando se cumpre quase um mês desde que a FNAM entregou uma contraproposta ao Ministério liderado por Manuel Pizarro, ainda sem resposta, Joana Bordalo e Sá explica à Renascença os motivos que levaram os médicos a convocar uma nova greve para 14 e 15 de novembro perante o silêncio do Governo.

"Acreditamos que existe dinheiro. Há que dar nota de que, do orçamento da Saúde para 2023, só 10% é que foi executado, no entanto já estão a propagandear que vão aplicar fundos e mundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que são fundos europeus, para aplicar na saúde", denuncia a responsável.

"Infelizmente, não estamos a ver isso ser aplicado nos recursos humanos fixos, nomeadamente nos médicos, para poderem estar no Serviço Nacional de Saúde (SNS)."

A FNAM tem agendado um conjunto de iniciativas de paralisação da atividade dos médicos, exigindo salários justos e condições de trabalho dignas para todos os médicos no SNS.

A presidente da federação diz que os médicos não vão abrandar enquanto o Ministério não responder e poderá haver constrangimentos nas urgências dos hospitais de todo o país.

"A questão de entregarmos as minutas das 150 horas - indisponibilidade para fazer mais do que 150 horas - extraordinárias poderá mesmo paralisar vários serviços de urgência, de norte a sul do país", alerta.

Em reação à entrevista que o secretário de Estado da Saúde, Ricardo Mestre, deu ao Público, na qual adiantou medidas para o financiamento do SNS com base nas diferentes situações clínicas das populações locais, Joana Bordalo e Sá qualifica as palavras do governante como "propaganda".

"No fundo, foi uma súmula de tudo o que se tem vindo a discutir ou tendo sido apresentado, ao longo do tempo, e de que a FNAM já deu nota, por várias vezes, que são medidas insuficientes e que não passam de propaganda do Governo, em como vão conseguir atrair mais médicos para o SNS. Não é verdade."

A dirigente sindical explica que a proposta salarial apresentada pelo Governo "diferencia entre as especialidades, porque os vencimentos dos médicos de família não são iguais aos hospitalares, médicos de saúde pública e aos internos", algo que a classe médica não pode aceitar, por considerar que deve existir "um aumento que seja proporcional e que seja transversal, igualitário e equitativo para todos os médicos".

Sem isso, a presidente da FNAM considera que a postura do Governo não é séria e terá como consequência o afastamento de mais profissionais. "Isto é fazer com que haja mais médicos a sair do SNS e não a ficar", remata.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+