Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Associação de Médicos de Saúde Pública

Financiamento do SNS. Proposta “é passo em frente”, mas não chega

28 ago, 2023 - 11:50 • Hugo Monteiro , Isabel Pacheco

O Ministério da Saúde quer que o risco clínico das populações determine o financiamento das Unidades de Saúde Familiar.

A+ / A-

A Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública (ANMSP) considera que faz sentido o financiamento do SNS passar a ter em conta o risco clínico das populações, mas defende que a medida, por si só, não chega.

O presidente da ANMSP, Gustavo Tato Borges, defendeu esta segunda-feira que a medida deve ser acompanhada de outras formas de financiamento. O responsável reconhece que “é um passo em frente, interessante, mas tem de ser muito bem agilizado com outras formas de financiamento”.

“É importante que seja um modelo alargado ao que é o plano local de saúde”, acrescenta Gustavo Tato Borges.

O médico concorda que as populações com “maior carga de determinado fator de risco” precisam de um financiamento maior, mas alerta que “isso não pode ser o único fator”.

“Muitas vezes há alteração, há surpresas, há acidentes que acontecem, e mesmo as necessidades técnicas de saúde das populações podem ser diferentes em populações com a mesma carga de risco ou doenças”, justifica.

O secretário de Estado da Saúde, Ricardo Mestre explicou esta manhã, em entrevista ao jornal Público, que, a partir de janeiro, a verba a atribuir às Unidades Locais de Saúde vai depender de estas estarem localizadas em zonas de população saudável, de doentes crónicos ou de casos de saúde complexos.

A proposta deverá ser apresentada pelo Governo na próxima reunião com os sindicatos.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+