A+ / A-

Número de partos nos privados sobe 20% em Lisboa entre janeiro e junho

24 ago, 2023 - 11:56 • Beatriz Pereira

Também no Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi verificado um aumento dos partos realizados, embora com menor expressão.

A+ / A-

O número de partos realizados nos três grandes hospitais privados de Lisboa subiu 20,65% nos primeiros seis meses deste ano.

Os dados, avançados pelo jornal Público desta quinta-feira, mostram que foram feitos 4926 partos no primeiro semestre no ano, em conjunto, pelos hospitais da Luz, Lusíadas e a CUF.

Por outro lado, os partos realizados através do Serviço Nacional de Saúde (SNS), nos 13 hospitais públicos na região de Lisboa e Vale do Tejo, aumentaram 2,9% face a 2022, com 12.363 partos feitos entre janeiro a junho. Um número justificado em parte pelos fechos rotativos ao fim-de-semana por falta de médicos nos hospitais.

O presidente da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal, Nuno Clode, admite que a procura dos privados se deve ao sentimento de receio e insegurança que as mulheres sentem, nos tempos em que se sentem “perdidas” no SNS.

Já a Direção Executiva do SNS, em resposta ao Público, rejeita comparações entre hospitais privados e públicos, uma vez que "olhar apenas os números absolutos de partos de forma superficial pode levar a que não sejam consideradas as assimetrias de recursos e meios investidos no acompanhamento e concretização de gravidezes e partos complexos face a situações simples e sem complicações". Uma das alegações prende-se com as “percentagens anormalmente elevadas de cesarianas” realizadas nos privados.

Os dados completos podem ser consultados no Portal da Transparência do SNS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+