Tempo
|
A+ / A-

Açores com taxa de três euros para passageiros de navios de cruzeiro em 2025

16 ago, 2023 - 18:04 • Lusa

No caso de passageiros que desembarquem em mais do que um terminal regional apenas é cobrado o primeiro desembarque.

A+ / A-

Os Açores vão cobrar uma ecotaxa de três euros por passageiro de navios de cruzeiro a partir de janeiro de 2025, para promover a "sustentabilidade do destino", foi hoje publicado em Diário da República (DR).

"É urgente a criação e aplicação de um tributo com caráter ambiental para atenuar as externalidades negativas, produzidas pelos visitantes marítimos oriundos do exterior da região, contribuindo para o desenvolvimento e sustentabilidade do destino", lê-se no Decreto Legislativo Regional, publicado hoje em DR.

A criação da ecotaxa resulta de uma iniciativa do PAN, que foi aprovada em 14 de julho na Assembleia Regional, com votos a favor de PS, PSD, CDS-PP, BE, PPM, PAN e do deputado independente, um voto contra da IL e a abstenção do Chega.

Na resolução, alerta-se para a necessidade de "combater o impacto da poluição gerada pelos navios cruzeiro na saúde humana e nos oceanos" e considera-se que a "criação de tributos ambientais permite manter os níveis de qualidade da oferta, sem prejuízo de a tornar mais acessível e inclusiva".

"Perante o estado de desenvolvimento da região enquanto destino de navios cruzeiro, que motivou a sua afirmação internacional como destino deste setor do turismo, exige-se a adoção de mecanismos que fomentem a articulação, participação e cooperação entre os vários agentes económicos", lê-se no decreto.

A ecotaxa marítima vai ter o valor de três euros por "passageiro que desembarque de navio de cruzeiro em escala nos terminais" do arquipélago e vai "entrar em vigor a 01 de janeiro de 2025".

No caso de um passageiro que desembarque em mais do que um terminal regional é "apenas cobrado o primeiro desembarque".

Estão isentos da taxa os passageiros (e um acompanhante) que se deslocam por motivos de "tratamentos médicos urgentes", os passageiros "desalojados ou despejados" ou que o desembarque aconteça por "motivos de ordem técnica ou meteorológica".

Estão ainda isentas "pessoas com deficiência ou com incapacidade" e tripulantes.

"Decorridos 16 meses da vigência do presente diploma, o Governo Regional entrega, na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, um relatório sobre o impacto da aplicação da ecotaxa marítima nos primeiros 12 meses da sua vigência", é definido no diploma.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+