A+ / A-

Detido suspeito de atear vários fogos florestais em Cantanhede

04 ago, 2023 - 17:14 • Lusa

O detido vai ser presente às autoridades judiciárias competentes para o primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.

A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem suspeito de vários crimes de incêndio florestal, ocorridos entre maio e agosto, nas freguesias de Cadima, São Caetano e Pocariça, no concelho de Cantanhede, distrito de Coimbra.

Na sequência das investigações, a PJ através da Diretoria do Centro, em estreita colaboração e articulação com o Grupo de Trabalho para a Redução das Ignições em Espaço Rural - Zona Centro e do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Cantanhede identificou e deteve o suspeito, refere a PJ, numa nota hoje divulgada.

O homem, de 38 anos, "com uso de chama direta e de artefactos preparados para retardarem a ignição, terá ateado diversos incêndios, estando ainda a apurar-se o número exato, em zona de vasta mancha florestal, confinante com zona urbana, que teriam atingido proporções mais gravosas caso não tivesse havido rápida intervenção dos meios de combate", adianta a Judiciária.

De acordo com o mesmo comunicado, a maior parte das ignições ocorreram durante a noite, sendo que a atuação do suspeito "colocou em perigo a integridade física e a vida de pessoas, habitações e a grande mancha florestal".

O detido vai ser presente às autoridades judiciárias competentes para o primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.

A PJ deu ainda nota de que, nestas investigações de incêndios dolosos, conduzidas pela Diretoria do Centro, foi "igualmente relevante o apoio tecnológico do grupo de trabalho", composto pela PJ, GNR e Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), bem como as inspeções, validações e recolha de informação, efetuadas pelo NPA/SEPNA da GNR.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+