Tempo
|
A+ / A-

Diminui número de contribuintes que pagaram totalidade do IMI

01 ago, 2023 - 11:49 • Lusa

Imposto Municipal sobre Imóveis é pago de uma vez só, quando é inferior a 100 euros, mas pode ser desdobrado em prestações quando ultrapassa esse valor.

A+ / A-

Mais de 550 mil contribuintes optaram por pagar a totalidade do Imposto Municipal sobre os Imóveis (IMI) em maio, dispensando o pagamento faseado, segundo dados Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), mas o número recuou face ao ano passado.

"No mês de maio, 556.011 contribuintes efetuaram o pagamento antecipado de IMI relativo a 2022", disse, em resposta à Lusa, fonte oficial da AT esta terça-feira.

O número é inferior ao verificado no ano passado (para o IMI relativo a 2021), quando 580.811 notas de liquidação de valor acima dos 100 euros foram pagas logo em maio.

O Imposto Municipal sobre os Imóveis (IMI) é pago de uma vez só, durante o mês de maio, quando o seu valor é inferior a 100 euros, mas é desdobrado em duas ou três prestações (pagas em maio e novembro ou maio, agosto e novembro) quando o seu valor oscila entre, respetivamente, os 100 e os 500 euros ou supera os 500 euros.

Porém, há já quatro anos que a primeira nota de liquidação inclui uma referência de pagamento para a totalidade do imposto, podendo os contribuintes com valores acima dos 100 euros "arrumar" as contas do IMI durante o mês de maio, dispensando, assim, o pagamento fracionado.

Segundo dados do fisco, este ano foram emitidas 4.082.440 liquidações de IMI, sendo 916.359 de valor até 100 euros.

Neste total há ainda 2.486.548 com valores de imposto entre os 100 e os 500 euros e 679.533 acima dos 500 euros, sendo que neste último caso o prazo para os contribuintes pagarem o imposto arrancou nesta terça-feira e termina em 31 de agosto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+