A+ / A-

fronteiras

JMJ. Controladas mais de 588 mil pessoas e recusada a entrada a 94

29 jul, 2023 - 09:00 • Lusa

O controlo documental nas fronteiras terrestres, aéreas e marítimas no âmbito da JMJ entrou em vigor no dia 22 e está a ser feito de forma seletiva e direcionado com base em informações e análise de risco.

A+ / A-

As autoridades portuguesas controlaram mais de 588 mil pessoas desde o início de reposição do controlo documental nas fronteiras no âmbito da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), tendo impedido a entrada no país de 94 pessoas.

As fronteiras aéreas são aquelas onde mais cidadãos têm sido controlados no âmbito desta operação - só na sexta-feira foram mais de 77.000 passageiros de 437 voos, a esmagadora maioria com origem fora do Espaço Schengen.

O controlo documental nas fronteiras terrestres, aéreas e marítimas no âmbito da JMJ entrou em vigor no dia 22 e está a ser feito de forma seletiva e direcionado com base em informações e análise de risco.

De acordo com o balanço operacional feito hoje, em comunicado, pelo Sistema de Segurança Interna, nos primeiros sete dias foram fiscalizadas 35.039 pessoas nas fronteiras terrestres, 516.260 passageiros nas fronteiras aéreas e 37.332 nas fronteiras marítimas, num total de 588.631 pessoas.

No âmbito da operação, foi recusada a entrada a 94 pessoas, das quais 59 tentavam chegar a Portugal por via terrestre e 35 por via aérea.

Nas fronteiras aéreas foram controlados desde o início da operação 3.008 voos e detidas quatro pessoas, nas fronteiras terrestres as autoridades controlaram um total de 8.554 viaturas e nas marítimas foram controladas 772 embarcações, 137 das quais nas últimas 24 horas.

Ao todo, foram feitas sete detenções, desde o início da operação (quatro no controlo das fronteiras aéreas e três nas fronteiras terrestres).

A reposição de controlos documentais nas fronteiras permanecerá ativa até às 0h00 horas de 7 de agosto e acontece "a título excecional de forma a acautelar eventuais ameaças à ordem pública e à segurança interna", segundo uma resolução do Governo.

O controlo de fronteiras no âmbito da JMJ, evento que vai decorrer em Lisboa entre 1 e 6 de agosto e contará com a presença do Papa Francisco, está a cargo do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), com a assistência da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Guarda Nacional Republicana (GNR), além da eventual colaboração de autoridades de outros países.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+