Tempo
|
A+ / A-

Greve dos farmacêuticos pode levar a escassez de medicamentos nos hospitais

24 jul, 2023 - 09:52 • Redação

Apesar de haver serviços mínimos utentes e atividades dos hospitalares “vão ser afetadas”.

A+ / A-

A greve dos farmacêuticos hospitalares que começou esta segunda-feira “vai abranger as três especialidades dos farmacêuticos do SNS, entre elas as farmácias hospitalares, análises clínicas e genética humana”.

A previsão é avançada à Renascença pelo dirigente sindical Henrique Reguengo.

"Apesar de haver serviços mínimos, todas as atividades dos hospitais vão ser afetadas”, reforça.

"Os utentes que, normalmente, vão a farmácias hospitalares buscar mediação de distribuição exclusiva não o poderão fazer nos dias de greve”, explica, rematando: "Há uma série de atividades que fica comprometida nas instituições."

Os farmacêuticos hospitalares lutam pela promoção e progressão na carreira, aumento do número de profissionais e o reconhecimento pelo Ministério da Saúde do título de especialização.

O sindicato explica que “um estudo independe realizado pela Universidade Nova de Lisboa indica que há uma carência de 25% de farmacêuticos no serviço nacional de saúde”.

Existem “cerca de mil [farmacêuticos hospitalares] no Serviço Nacional de Saúde” para colmatar esse número “são precisos mais de trezentos e tal farmacêuticos”, apenas para as necessidades básicas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+