Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

JMJ 2023. ASAE investiga arrendamentos ilegais que podem cobrar até 1.500 euros por noite

18 jul, 2023 - 19:00 • Redação

"Temos estado a combater com processos diretos aos anunciantes e com indicação às plataformas para retirar esses mesmos anúncios", diz Pedro Gaspar.

A+ / A-

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) está a investigar arrendamentos ilegais de quartos e casas durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

Até agora, foram instaurados 80 processos e já foram detetados valores de preços que iam até aos 1.500 euros por noite ou até seis mil por semana.

À Renascença, o inspetor-geral da ASAE, Pedro Gaspar, explica que estão a atuar sobre anunciantes e anúncios.

"Não tenho ideia da evolução muito significativa dos últimos dias desde o fim de semana que se mantém naquela casa dos cerca de mais de 80 processos e mais de 100 anúncios retirados, devemos continuar a monitorizar", refere.

"Temos estado a combater com processos diretos aos anunciantes e com indicação às plataformas para retirar esses mesmos anúncios", acrescenta.

A pensar na segurança alimentar durante a JMJ, a ASAE vai também promover uma ação com operadores económicos, no dia 20, para abordar questões prioritárias.

"O problema de utilização de algum tipo de alimentos tendo em conta a exposição às temperaturas que vão ocorrer, conservação das mesmas e depois todas as regras do manuseamento em termos dos respetivos profissionais, aliado a uma coordenação com os cuidados de higienização que têm de ter", diz.

Pedro Gaspar admite alguma especulação nos preços nesta altura, mas deverá ser pontual e em determinados bens, como a água.

"Mas na primeira linha, aqui na área alimentar, é mais de facto a segurança alimentar em termos de haver em quantidade e parece que sim e naturalmente com a respetiva qualidade que também parece que estará assegurada", concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+