Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

PSP diz que queixa-crime à RTP por "cartoon" foi "decisão difícil"

13 jul, 2023 - 22:01 • Lusa

Questionado sobre se a decisão foi motivada por um mal-estar entre os elementos da polícia, o responsável rejeitou que fosse esse o motivo.

A+ / A-

O diretor-nacional da PSP, Manuel Magina da Silva, admitiu esta quinta-feira ter sido "uma decisão difícil" apresentar queixa-crime contra a RTP por causa de um "cartoon" sobre racismo nas forças de segurança.

"Não é isso que gostaríamos de fazer, como é lógico, com qualquer órgão de comunicação social", disse Magina da Silva aos jornalistas à margem da inauguração do Museu da Polícia de Segurança Pública em Lisboa.

Questionado sobre se a decisão foi motivada por um mal-estar entre os elementos da polícia, o responsável rejeitou que fosse esse o motivo.

"O diretor-nacional toma muitas vezes decisões muito difíceis, mas tem de as tomar. Se eu estivesse cá para tentar agradar a todos ia vender gelados em vez de ser diretor da PSP", observou.

Escusando-se a comentar a decisão, Magina da Silva remeteu explicações para o comunicado divulgado esta semana pela PSP e disse aguardar o resultado do inquérito.

A PSP avançou na segunda-feira com uma queixa-crime ao Ministério Público (MP) por causa do "cartoon" emitido pela RTP, lamentando "juízos ofensivos" e sublinhando que a liberdade de expressão "não é um direito absoluto".

Em comunicado, a força de segurança revelou então que se queixou também à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e à Comissão da Carteira Profissional de Jornalista (CCPJ), embora a cartoonista Cristina Sampaio não tenha carteira de jornalista (Cristina Sampaio é licenciada em Pintura, ilustradora e artista gráfica), ao considerar que o "cartoon" "propala factos inverídicos, capazes de ofender a credibilidade, o prestígio e a confiança devida à PSP".

Exibido na passada sexta-feira, na rubrica semanal do coletivo Spam Cartoon na RTP, o "cartoon" animado, intitulado "Carreira de tiro", mostra um polícia a atirar ao alvo com cada vez mais intensidade. No final, mostra os alvos, que foram escurecendo à medida da agressividade do polícia.

Uma versão "estática" do mesmo "cartoon" foi publicada no domingo no jornal Público.

No sábado, o Sindicato Nacional da Carreira de Chefes (SNCC) da Polícia de Segurança Pública (PSP) apresentou uma queixa-crime contra os autores do "cartoon", e também contra a RTP, por entender que "há, inequivocamente, uma intenção de vilipendiar todos os polícias, retratando-os como xenófobos e racistas".

Contactado pela Lusa, o ilustrador André Carrilho, cofundador, juntamente com João Paulo Cotrim, do Spam Cartoon - um microprograma de 30 segundos, com o mesmo nome, no qual a atualidade é vista por "cartoons" -, considerou que a queixa "não faz sentido", uma vez que o "cartoon" "não tem nada a ver com a PSP nem com a realidade portuguesa".

"Nós trabalhamos para a RTP desde 2017 e o "cartoon" é sempre feito num contexto de atualidade nacional e internacional, neste caso é internacional. Tem a ver com a ocorrência em França, da morte de um jovem francês às mãos da polícia que depois deu origem a vários tumultos pelo país inteiro", explicou André Carrilho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+