A+ / A-

Obrigacionistas da Efacec acusam Governo de estar a criar novos lesados

13 jul, 2023 - 12:12 • Lusa

Estado português controla a Efacec (com 71,7% do capital social), após a nacionalização da participação de Isabel dos Santos em 2020.

A+ / A-

Os obrigacionistas da Efacec associados da associação Maxyield consideram que o Governo está a criar um novo conjunto de lesados em Portugal com a proposta de reestruturar a dívida da empresa e aconselha ao chumbo da proposta.

Em comunicado esta quinta-feira, os detentores de obrigações da Efacec membros da associação de investidores Maxyield dizem que ficaram "alarmados" com a publicação em 07 de julho de uma convocatória da empresa a submeter à aprovação dos obrigacionistas um corte de 50% da dívida detida por estes investidores privados emitida em 2019, no valor de 58 milhões de euros.

Para estes investidores tal, a ser aprovado, significa a criação de "uma nova geração de lesados em Portugal" e "põe em causa não apenas a Efacec, mas a confiança dos investidores no próprio Estado".

O Estado português controla a Efacec (com 71,7% do capital social), após a nacionalização da participação de Isabel dos Santos em 2020. Atualmente, decorre o processo de privatização com venda ao fundo alemão Mutares.

Uma das condições para que a venda ocorra é que haja um acordo com os credores financeiros para reduzir a dívida, incluindo os obrigacionistas.

Para os obrigacionistas da Efacec associados da Maxyield, a reestruturação proposta lesa "os investidores privados que apoiaram a Efacec e que investiram na mesma com plena confiança na sua valia empresarial" e prejudica "manifestamente o mercado de capitais português numa estratégia lesiva dos legítimos direitos dos seus credores privados".

Estes investidores consideram ainda que a gestão estatal da Efacec nos últimos três anos foi "verdadeiramente desastrosa, com a situação líquida da empresa a cair de 277 milhões de euros em dezembro de 2019 para 74 milhões de euros negativos em abril deste ano".

Já o número de trabalhadores diminuiu em mais de 600 e "deverá sofrer mais cortes pós-privatização nas mãos do fundo Mutares", acrescentam.

Estes investidores dizem ainda que o Mutares se propõe investir 15 milhões de euros na Efacec e que esse valor "é manifestamente insuficiente para viabilizar a empresa".

Os obrigacionistas da Efacec associados da Maxyield terminam o comunicado a aconselhar todos os obrigacionistas a recusarem tal proposta de redução do valor das obrigações, na assembleia geral de obrigacionistas de 07 de agosto.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+