Tempo
|
A+ / A-

Ministério Público e Polícia Judiciária fazem buscas no Ministério da Defesa

07 jul, 2023 - 12:05 • Diogo Camilo e Lusa

Ministério avança que os dois órgãos estão nas instalações para "averiguações a atos praticados entre 2018 e 2021".

A+ / A-

A Polícia Judiciária e o Ministério Público estão esta sexta-feira a realizar buscas nas instalações da Direção Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN), no Ministério da Defesa, avançou a tutela em comunicado.

Na nota, o Ministério tutelado por Helena Carreiras adianta que MP e PJ estão nas instalações "no âmbito de averiguações a atos praticados entre 2018 e 2021", anos em que o ministro titular da pasta da Defesa era João Gomes Cravinho, atual ministro dos Negócios Estrangeiros.

"O Ministério da Defesa Nacional reafirma a sua total colaboração com as autoridades em tudo o que lhe for solicitado", refere ainda o comunicado.

Esta sexta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou a demissão do secretário de Estado da Defesa, Marco Capitão Ferreira, depois de ter sido noticiado que o mesmo contratou Miguel Fernandes, ex-administrador do Alfeite, para assessor da administração da "holding´ da Defesa, IdD - Portugal Defence, sem que este alguma vez tenha sido visto a exercer funções no local.

Em resposta, PSD, Chega e IL defenderam que se mantenha a audição parlamentar prevista ao secretário de Estado da Defesa demissionário, com vários partidos a quererem também ouvir a atual ministra da Defesa e o anterior titular da pasta.

Em causa está um contrato de assessoria assinado em 25 de março de 2019 entre Marco Capitão Ferreira e a Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN), à data liderada por Alberto Coelho - um dos envolvidos na operação judicial "Tempestade Perfeita" - com uma vigência de 60 dias e no valor de 50 mil euros mais IVA.

Em junho, a Iniciativa Liberal já tinha questionado o Ministério da Defesa sobre se Marco Capitão Ferreira tinha acumulado estas funções com o cargo que assumiu na empresa EMPORDEF em abril desse ano, questionando se teria sido violado o estatuto do gestor público.

[em atualização]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+