A+ / A-

PSP

Burlas por MBWay levam à detenção de 16 pessoas

05 jul, 2023 - 12:55 • João Pedro Quesado

As burlas provocaram mais de 60 mil euros em prejuízo.

A+ / A-

A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve, a 4 de junho, 16 pessoas suspeitas de levar a cabo burlas através da aplicação MBWay, causando prejuízos acima dos 60 mil euros.

A operação foi levada a cabo nos concelhos de Lisboa, Loures, Amadora, Évora e Portalegre, adianta a força policial num comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso.

No decurso da operação em que foram realizadas as detenções, a PSP apreendeu três armas de fogo - duas espingardas e uma pistola -, três armas de ar comprimido, cerca de 4 mil euros em notas, além de diversas peças em ouro, avaliadas em cerca de 100 mil euros.

Os detidos, que são suspeitos da prática do crime de burla através do MBWay, são oito mulheres e oito homens, com idades entre os 22 e os 41 anos, e vão ser presentes ao Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Norte.

A operação foi realizada a propósito de um inquérito do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Loures, com o objetivo de “desmantelar uma rede criminosa associada à prática de diversos ilícitos cometidos” através da aplicação de pagamento, levantamento e transferência de dinheiro, com prejuízos a superar os 60 mil euros.

De acordo com o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, foi possível identificar “um conjunto de suspeitos que, de forma fraudulenta e através da referida plataforma, se apropriavam de diversas quantias através de compras/pagamentos, levantamentos de dinheiro ou ainda acesso ilegítimo a dados bancários”.

A operação cumpriu “29 mandados de busca domiciliária, seis mandados de busca não domiciliária e 15 mandados de detenção”, e contou com a colaboração da Guarda Nacional Republicana na execução dos atos processuais realizados na sua área de responsabilidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+