Tempo
|
A+ / A-

Enfermeiros ameaçam com greve geral por tempo indeterminado

29 jun, 2023 - 10:39 • Teresa Almeida , Olímpia Mairos

Estrutura sindical lamenta que ministro da Saúde não tenha agendado retoma da mesa de negociações ainda durante junho e garante que enfermeiros só esperam até 4 de julho. “Não ficarão a aguardar por uma resposta por tempo indeterminado”, avisa o sindicato.

A+ / A-

Os enfermeiros ameaçam com greve geral se até 4 de julho o ministro da Saúde não retomar as negociações.

Em comunicado, o Sindicato dos Enfermeiros lamenta que Manuel Pizarro não tenha agendado novas conversações com estes profissionais.

À Renascença, Pedro Costa admite, por isso, uma greve geral, prolongada no tempo, de modo a garantir que os direitos dos enfermeiros são cumpridos e respeitados.

“Damos até dia 4 de julho ao senhor ministro para nos dizer quando quer reunir com os enfermeiros, o que é que vai fazer para valorizar a carreira”, diz Pedro Costa.

Se o prazo não for cumprido, o presidente do Sindicato dos Enfermeiros (SE) deixa a ameaça que “os três sindicatos, que assinaram o documento entregue ao senhor ministro, vão fazer uma paralisação geral, uma greve geral a nível nacional”, alertando que a acontecer “poderá ainda agravar mais os problemas do Serviço Nacional de Saúde, numa altura que nós sabemos que é crítica todos os anos”.

O sindicalista adverte que a paralisação vai acontecer “numa altura de verão” e “pode ser prolongada pelo tempo necessário até garantirmos que existe uma negociação séria, uma negociação que valorize a carreira”.

Em comunicado, o SE destaca que “há, entre os enfermeiros portugueses, um crescente sentimento de revolta, uma vez que vemos cada vez mais esfumar-se a oportunidade de valorização da nossa carreira, uma reivindicação que entendemos ser mais que merecida”, acrescentando que os enfermeiros “esperam desde 2017 que seja concluído o primeiro Acordo Coletivo de Trabalho para a classe”.

Por isso, a estrutura sindical exorta o Governo a trabalhar de forma antecipada para que, “aquando da elaboração do Orçamento de Estado para 2024, sejam contempladas verbas para a valorização salarial dos níveis remuneratórios dos enfermeiros”.

Se tal não suceder de forma antecipada, “já sabemos que nada vai ser contemplado e que, na altura de discussão do Orçamento vão sempre surgir dificuldades de última hora, que vão adiar mais um ano a tomada de decisões”, lê-se no documento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+