Tempo
|
A+ / A-

Abusos na Igreja

Mais de 20 novas denúncias de abusos. Grupo VITA encaminha casos para MP e Igreja

27 jun, 2023 - 09:02 • João Cunha

Apesar de a maior parte das novas denúncias envolver crimes de abuso que já terão prescrito, todos os casos serão sinalizados. Alguns dos padres visados ainda estão no ativo.

A+ / A-

No seu primeiro mês de atividade, o Grupo Vita recebeu 23 novas denúncias de vítimas de alegados abusos cometidos por padres, vítimas adultas "cuja vivência abusiva aconteceu há muitos anos" e que, na sua maioria, são oriundas do Norte do país.

Em declarações à Renascença, esta terça-feira, a psicóloga Rute Agulhas, que coordena o Grupo Vita, criado pela Igreja Católica, sublinha que estas pessoas "nunca tinham falado antes sobre esta situação, nem com a ex-comissão independente".

O próximo passo é "marcar atendimentos online e presenciais para recolhermos alguma informação adicional e tentarmos perceber quais são as suas necessidades".

Na sua maioria, sublinha a responsável pelo Grupo Vita, estas pessoas "estão claramente a necessitar de um apoio psicológico e vão ser encaminhadas no mês de julho para os psicólogos da bolsa de profissionais que já constituímos" e que vão receber a primeira formação inicial no próximo dia 17 de julho.

Outros destes "sobreviventes" estão a necessitar de "uma reavaliação psiquiátrica ou mesmo de uma avaliação inicial, que nunca fizeram".

Num caso particular, uma vítima "está também com necessidades a nível social", adianta Rute Agulhas, que ressalta que, apesar de a maior parte das denúncias se referir a abusos que já terão prescrito, vão ser sinalizadas.

"Ao Ministério Público, com o devido consentimento destas pessoas, e algumas outras situações serão sinalizadas ainda esta semana à Igreja, para que possam ser iniciados os processos de investigação canónicos."

Quanto ao número de elementos do clero envolvidos, quantos estarão no ativo e quais as suas identidades, esses dados não serão revelados.

"Não vou revelar números relativamente a quantos estão no ativo. Posso dizer que alguns estão no ativo, outros não foi possível identificar, porque a própria vítima não sabe dizer, tem dúvidas ou não se recorda do nome em questão, o que não significa que não possamos, junto da Igreja, perceber se é possível chegar a essa identidade. Há depois outra situação em que, à partida, o suspeito já faleceu."

O Grupo Vita é o organismo criado pela hierarquia católica em abril para recolher e analisar queixas de abusos sexuais por elementos da Igreja, mas com autonomia de funcionamento. O objetivo é acolher, escutar, acompanhar e prevenir as situações de violência sexual de crianças e adultos vulneráveis no contexto da Igreja Católica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+