Tempo
|
A+ / A-

Comunicações em Pedrógão Grande continuam a falhar, diz Anacom

27 jun, 2023 - 19:55 • Fátima Casanova

Uma em cada 18 chamadas não se faz e a velocidade da internet é baixa.

A+ / A-

As comunicações em Pedrógão Grande continuam a falhar, explica Ilda Matos, porta-voz da Anacom, à Renascença.

A Autoridade Nacional de Comunicações esteve no terreno a fazer medições e verificou que a cobertura de sinal não chega a todos.

"O sinal rádio elétrico apresenta má qualidade ou é mesmo inexistente em 35% dos casos", diz Ilda Matos, "havendo alguns operadores que chegam a atingir valores na casa dos 54%", continua.

A porta-voz da Anacom considera estes valores "bastante expressivos", mas o problemas não ficam por aí.

Ao nível da internet também existem alguns problemas, tendo alguns operadores apresentado falhas "em cerca de 30% dos testes".

Ilda Matos refere ainda que, em termos médios, a velocidade da internet é baixa.

"Relativamente às chamadas de voz, verificou-se que uma em cada 18 chamadas falhou", reitera a porta voz da Autoridade Nacional de Comunicações.

As conclusões destes testes vêm dar razão às queixas da presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, que se mostra preocupada com os idosos da região.

Dina Duarte pede que as "redes de telemóveis, que as redes móveis, funcionem na casa dos meus vizinhos, que são mais idosos e que se precisarem do SOS, é bom que o telemóvel tenha rede.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Armando Eiras
    28 jun, 2023 Sarzedas do Vasco 15:51
    Melhor que tudo era fazerem lei que obrigassem ao emparcelamento dos terrenos ultra, ultra minifundios. De modo a permitir uma gestão coletiva. Os trrenos não dão lucro e o Estado só fez leis que obriga os proprietários a gastarem, gastarem, até concluirem que fica mais barato abandornar os terrenos. Parece ser isso que o Governo quer, apropriar se deles para os entregar a quem continue a plantar eucaliptos. Empatcelamento é que era de valor, agora inaugurações, discurcos ocos de conteudo, celebrações bdisto ou daquilo em P G pouco importam e não trazem lucro nenhum aos restantes habitantes.

Destaques V+