Tempo
|
A+ / A-

Primeira semana de agosto

JMJ. Câmara de Lisboa dá tolerância de ponto num dia e recomenda teletrabalho

26 jun, 2023 - 13:46 • Lusa

Lisboa foi a cidade escolhida pelo Papa para a próxima edição da JMJ, que vai decorrer entre os dias 1 e 6 de agosto, sendo esperadas cerca de 1,5 milhões de pessoas.

A+ / A-

A Câmara de Lisboa vai conceder tolerância de ponto aos trabalhadores do município no dia 4 de agosto, para poderem participar na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), e recomenda teletrabalho de 31 de julho a 3 de agosto.

“No âmbito da viagem apostólica de sua santidade o Papa Francisco por ocasião da Jornada Mundial da Juventude que ocorrerá em Lisboa e por forma a permitir que os trabalhadores do município se associem às celebrações deste evento de relevância e dimensão única para a nossa cidade, concedo aos trabalhadores do município de Lisboa tolerância de ponto no dia 4 de agosto”, lê-se no despacho assinado esta segunda-feira pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas (PSD).

De acordo com o despacho, a que a Lusa teve acesso, os trabalhadores responsáveis por serviços considerados essenciais e em que a natureza das funções não permite beneficiarem da tolerância de ponto neste dia vão poder usufruir da medida “em data a acordar com o respetivo dirigente”.

Neste âmbito, o autarca aproveita para enaltecer e agradecer o empenho dos trabalhadores do município, que contribuem para que “Lisboa seja reconhecida como uma cidade acolhedora de gentes de todo o mundo”.

“No período de 31 de julho a 3 de agosto, os trabalhadores que não integrem as equipas operacionais de apoio ao evento e cujas funções o permitam deverão praticar teletrabalho por forma a racionalizar a circulação na cidade de Lisboa”, recomenda o presidente da câmara.

No total, o município de Lisboa conta com cerca de 10 mil trabalhadores.

Lisboa foi a cidade escolhida pelo Papa Francisco para a próxima edição da JMJ, considerada o maior acontecimento da Igreja Católica, que vai decorrer entre os dias 1 e 6 de agosto, sendo esperadas cerca de 1,5 milhões de pessoas.

As principais cerimónias da JMJ vão ter lugar no Parque Eduardo VII e no Parque Tejo, a norte do Parque das Nações, na margem ribeirinha do Tejo, em terrenos dos concelhos de Lisboa e Loures.

No dia 4 de agosto (sexta-feira), segundo o programa da viagem apostólica do Papa a Portugal, prevê-se que se realize em Lisboa a confissão de alguns jovens da JMJ, pelas 09h00, na Praça do Império.

Pelas 09h45 deverá acontecer um encontro com os representantes de alguns centros de assistência socio-caritativa, no Centro Paroquial de Serafina, seguindo-se um almoço com os jovens, pelas 12h00, na Nunciatura Apostólica, e a via-sacra com os jovens, pelas 18h00, no Parque Eduardo VII, com discurso do Papa Francisco.

A edição deste ano da JMJ, que será encerrada pelo Papa, esteve inicialmente prevista para 2022, mas foi adiada devido à pandemia de covid-19.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anastácio José Marti
    27 jun, 2023 Lisboa 08:58
    Serão estas as medidas que respondem alguma vez às necessidades dos lisboetas em geral e dos cidadãos de Lisboa mais vulneráveis em particular senhores Administradores da CML? Enquanto estas medidas são tomadas há inúmeros cidadãos a aguardar resposta da CML aos seus pedidos de habitação social, aos apoios sociais solicitados e que nunca mais chegam, sem esquecer que nunca mais encontram uma resposta para os sem abrigo de Lisboa, o que parece nunca preocupar quem assim dirige a CML. Foi para não responderem em tempo útil às necessidades da população de Lisboa que souberam pedir-lhes o voto quando dele necessitaram? Como qualificarão os cidadãos de Lisboa os serviços assim não prestados por quem tem essa obrigação legal e moral e continua a fingir dar-se ao respeito que nem o Direito Constitucional de ter acesso a uma habitação digna, segura e permanente deram provas até hoje, 27/6/2023, de saberem respeitar e irem ao encontro das necessidades de quem ambiciona ver respeitado pela CML, Gebalis e Juntas de Freguesia este direito até hoje negado por todos e cada um.

Destaques V+