Tempo
|
A+ / A-

Apoio às rendas

Alexandra Leitão diz que Governo “gorou expectativas” e deve explicações

26 jun, 2023 - 03:33

A deputada socialista diz que faltam explicações políticas do Governo e fala num despacho que “gera contestação”.

A+ / A-

O Governo “gorou as expetativas” dos portugueses, quanto ao apoio às rendas. As palavas foram expressas pela deputada socialista Alexandra Leitão, no programa Princípio da Incerteza, que foi transmitido na CNN Portugal, este domingo.

A deputada do PS, que é também jurista, entende que o Governo deve explicações políticas, depois de mudanças introduzidas por despacho interno, na fórmula de cálculo nesta forma de apoio extraordinário.

“Houve várias entidades, consultoras, empresas de consultadoria e a DECO, que explicaram às pessoas o que lá estava escrito. Devo dizer que o diploma não é nada claro. As pessoas ficaram com uma expectativa e depois, de facto, em virtude do despacho, independentemente do que eu disse sobre a correção eventualmente do despacho, mas acaba por gorar expectativas que obviamente geram contestação”, afirmou Alexandra Leitão, acrescentando ser este um problema que tem de ser explicado.

A deputada socialista diz não criticar o Governo pela correção feita, no entanto, defende que no plano político são necessárias explicações.

Um despacho interno do Ministério das Finanças veio alterar o decreto-lei que criava o apoio às rendas, quanto à fórmula de apuramento dos rendimentos.

Para muitas famílias, a medida traduziu-se numa redução do subsídio, outras acabaram por ficar excluídas do apoio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Margarida Cruz
    26 jun, 2023 Odivelas 22:49
    Sou professora, família monoparental com 2 dependentes menores. Um vencimento apenas. 750 € mensais de prestação de crédito à habitação. Sem qualquer apoio do estado. Até que ponto querem fazer um cerco à classe média para que se extinga de vez?
  • Nelson Cardoso
    26 jun, 2023 V. N. Gaia 22:47
    O meu comentário : Portuguêses, "Eles são todos iguais : bons antes de serem eleitos e depois bons para se perpetuar em no poder... Com esquerdas como esta nem precisamos de direita.. 🤓
  • Secundino Santos
    26 jun, 2023 Sintra 22:34
    Todos sabemos que para quem precisa toda a ajuda é pouca, mas também temos que perceber que querer que o governo dei-a mais, enquanto que outros querem pagar menos impostos, será dificil satisfazer todos. Por outro lado também é difícil compreender certas personalidades políticas, quando estão lá dentro dizem sim, cá fora é nim e pedem explicações. Também será bom que as pessoas se habituem a aceitar o que se lhes pode dar, sem estarem sempre a pôr em causa o valor, porque esse valor não é o governo que dá, mas sim todos nós.
  • Anastácio José Marti
    26 jun, 2023 Lisboa 12:01
    Se é verdade que o Governo gorou expetativas e que por isso deve explicações apesar de todos sabermos que nunca serão as supostas explicações que anularão as expetativas criadas, esta afirmação, vinda de quem vem, de uma ex ministra do mesmo Governo, que tutelando a Administração Pública nunca provou saber e querer pôr fim ao homicídio profissional de um funcionário público DEFICIENTE que lhe denunciou tal homicídio profissional, nem tão pouco, soube ou quis por fim à imoralidade ainda hoje cometida, quando os descontos para a CGA, IRS, ADSE, etc continuam a incidir sobre os Subsídios de Férias e de Natal, sem nada em troca para os funcionários públicos. Que moral tem alguém para fazer esta afirmação se quando lá esteve e teve a oportunidade de fazer justiça e reparar as imoralidades aqui descritas, nada fez para as reparar, sendo ainda hoje cúmplice das mesmas e das consequências de as mesmas se manterem, seja para a saúde do funcionário público DEFICIENTE que ainda hoje continua a ser impedido ilegalmente de ingressar na carreira de Técnico Superior por quem assim o finge dirigir em nome da Administração Pública portuguesa, seja para os funcionários públicos suas irresponsabilidades assim assumidas, os impedem, ainda hoje, 26/6/2023, de receberem por inteiro ambos os subsídios mencionados, desde a saída da Troika até hoje. è esta a honestidade intelectual de quem assim se comporta em nome da politica portuguesa?
  • Maria Isidoro
    26 jun, 2023 Pêro Pinheiro 11:53
    Olá, eu pelas minhas contas, esperava mais algum apoio, pois também tenho um neto a meu encargo, após tirar o valor da renda, água luz, meo, com pouco fico para o governo de casa, mas enfim.. Se calhar deviam fazer novamente a taxa de esforço pode ter havido algum engano o que é muito normal, com tanta conta para fazer! Sem mais ficou a minha dúvida. Obrigado.
  • Felix baessa Mendonç
    26 jun, 2023 Amadora 11:53
    Meu comentário é que já estou numa situação sem saída eu vive numa casa 15 a nós já tenho 67 anos sou reformado o sinhoria me quer tirar para fora de casa e ainda já foi operado uma vez agora falta perna dereita pára onde que vou eu mais à minha esposa isso que gostaria perguntar os políticos à muitas pessoas com orde de despejo eu até Setembro tenho que entregar casa eu sou duente obrigado pára todos sr deputados
  • Arminda Castanhola
    26 jun, 2023 Rua de Dom Pedro V n 462 mafamude Vila Nova de 10:44
    Tenho um filho com Esquisofenico sou só estou com um esgotamento ningem vê quem precisa e há muitos a receber o apoio às rendas sem precisar pago 600 euros de renda faço descontos tudo como manda a lei e nada atenciosamente. Castanhola
  • Sergio aldieno
    26 jun, 2023 Pinhal novo 10:33
    Os. Bancos fazem de. Tudo para não dar nada

Destaques V+