Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Fenprof pede mais tempo para professores corrigirem provas de aferição

21 jun, 2023 - 21:12 • Lusa

Segundo a Fenprof, houve professores que foram tardiamente notificados sobre o acesso à plataforma de classificação "online" e outros que tiveram dificuldades em aceder à plataforma.

A+ / A-

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) denunciou, esta quarta-feira, alguns problemas na classificação das provas de aferição, como dificuldades no acesso à plataforma "online", pedindo à tutela que dê mais tempo aos professores para corrigir as provas.

A Fenprof anunciou, esta quarta-feira, em comunicado que enviou uma carta ao ministro da Educação, João Costa, na qual expõe vários problemas relatados pelos seus associados sobre a classificação das provas de aferição digitais dos alunos do 2.º, 5.º e 8.º anos.

Perante as denúncias, a Fenprof pediu "a intervenção imediata" do ministro junto do Júri Nacional de Exames (JNE) e dos diretores escolares para que sejam "acautelados prazos adequados para a classificação das provas de aferição e garantidas as condições para que os professores as possam classificar sem qualquer outro serviço atribuído".

Segundo a Fenprof, houve professores que foram tardiamente notificados sobre o acesso à plataforma de classificação "online" e outros que tiveram dificuldades em aceder à plataforma ou que encontraram informação desformatada, "impedindo a classificação" dessas mesmas provas.

Apesar de a classificação das provas e exames ser considerada uma função prioritária em relação a "quaisquer outras atividades na escola", os classificadores dizem que lhes foram atribuídas outras tarefas para o período em que deveriam estar focados na avaliação, acusa a federação.

Em comunicado, a Fenprof volta a criticar algumas das características das provas de aferição, tais como o facto de serem cada vez mais parecidas com provas de exame finais.

"O caráter universal da aplicação que não é necessário à concretização desta forma de avaliação, o momento da sua realização que sobrecarrega e condiciona o final do ano letivo e o recurso a docentes para sua classificação coincidentemente com o desenvolvimento de outra atividade docente", defende a Fenprof, que fala em "inutilidade prática".

O Ministério da Educação tem explicado que as provas de aferição são universais porque servem também para identificar as fragilidades de cada aluno e assim tentar colmatar as suas falhas a meio dos ciclos de estudo em que se encontram.

Em carta dirigida ao ministro da Educação, "a Fenprof acusa o governo de irresponsabilidade, ao não atender às críticas, avisos e dúvidas" levantadas por professores, encarregados de educação diretores de agrupamentos e especialistas do setor.

A federação representativa dos docentes acusa a tutela de ser obstinada no processo de desmaterialização da avaliação externa, designadamente nas provas de aferição, que este ano foram realizadas em formato digital para todos os alunos, estando previsto o alargamento da medida às provas do 9.º ano (em 2024) e aos exames nacionais do ensino secundário (2025).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+