A+ / A-

Trabalhadores não docentes anunciam greve entre 31 de julho e 4 de agosto

20 jun, 2023 - 08:53 • Lusa

A paralisação abrange os trabalhadores não docentes em funções nas escolas da rede pública de ensino, assistentes operacionais e restantes trabalhadores de carreiras gerais das escolas que estão sob gestão das autarquias da Área Metropolitana de Lisboa (AML).

A+ / A-

Trabalhadores não docentes das escolas da rede pública vão estar em greve entre 31 de julho e 4 de agosto para "denunciar e impedir o recurso forçado" para funções à Jornada Mundial da Juventude.

O pré-aviso de greve apresentado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas, que tem a data de hoje, está decretado para entre as 00h00 e as 24 horas do período entre 31 de julho e 4 de agosto, sendo que Jornada Mundial da Juventude (JMJ) se realiza em Lisboa de 1 a 6 de agosto deste ano.

De acordo com o pré-aviso, publicado num jornal, o objetivo é "denunciar e impedir o recurso forçado dos trabalhadores não docentes das escolas da rede pública para funções relativas à Jornada Mundial da Juventude", o "impedimento do gozo de férias na última semana de julho e a primeira semana de agosto que lesam os trabalhadores e prejudicam a organização do próximo ano letivo" e o facto "ilegal" dos mapas de férias não estarem afixados no prazo previsto na lei (15 de abril).

A greve do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas visa também contestar as mudanças de horário "que estão a ser impostas aos trabalhadores bem como a imposição de trabalho em dia de descanso semanal ou de dia descanso complementar".

Trabalhadores querem "impedir o recurso abusivo" a trabalho suplementar

No âmbito da paralisação, os trabalhadores querem "impedir o recurso abusivo" a trabalho suplementar, exigir o "respeito pelos trabalhadores não docentes relativamente ao seu conteúdo funcional, que devem estar em funções para a comunidade educativa".

Os trabalhadores vão fazer também greve ao trabalho suplementar fora do período normal de trabalho, em dias de descanso complementar, em dias de descanso obrigatório e em dias de feriados municipais entre os dias 22 de julho e até 8 de agosto.

A greve abrangerá também os dias de descanso complementar e obrigatório nos fins de semana de 22 de julho e 23 de julho, 29 e 30 de julho e 5 e 6 de agosto.

A paralisação abrange os trabalhadores não docentes em funções nas escolas da rede pública de ensino, assistentes operacionais e restantes trabalhadores de carreiras gerais das escolas que estão sob gestão das autarquias da Área Metropolitana de Lisboa (AML).

O pré-aviso abrange escolas sob a gestão das Câmaras de Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira) e todas as juntas de freguesia a AML.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+