A+ / A-

Fenprof estima que greve tenha impedido realização de cerca de 15 mil provas

20 jun, 2023 - 21:40 • Lusa

Para a federação, a adesão registada nos dois dias confirma “que os professores, tal como afirmam, não estão dispostos a parar a luta”.

A+ / A-

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) estima que a greve de docentes tenha impedido, esta terça-feira, a realização de cerca de 15 mil provas de aferição do 2.º ano em centenas de escolas.

Depois da prova de Português na quinta-feira, hoje foi a vez de os alunos do 2.º ano serem avaliados a Matemática, mas muitas acabaram por não se realizar devido à paralisação para a qual não tinham sido decretados serviços mínimos.

Em comunicado, a Fenprof, que integra a plataforma de nove organizações sindicais que convocou a greve aponta que cerca de 15.000 alunos não fizeram a prova, à semelhança do que já tinha acontecido na semana passada.

Para a federação, a adesão registada nos dois dias confirma “que os professores, tal como afirmam, não estão dispostos a parar a luta”.

“Houve ainda casos em que a não realização das provas decorreu de problemas técnicos e também da decisão de pais que, discordando destas provas, não permitiram que os seus filhos e educandos as realizassem”, acrescenta o comunicado.

Este ano as provas de aferição realizaram-se em formato digital por todos os alunos, incluindo os mais novos. A medida tem sido contestada por professores, diretores e pais, que consideram que as crianças não têm ainda autonomia suficiente para aquele formato.

Além da greve às provas de aferição, a plataforma sindical tem também em curso uma greve às provas finais do 3.º ciclo e aos exames nacionais do ensino secundário, que começaram na segunda-feira, estas com serviços mínimos.

Os professores estão em greve pela recuperação do restante tempo de serviço que esteve congelado, e que corresponde a seis anos, seis meses e 23 dias.

Durante a manhã, o secretário-geral da Fenprof já tinha afirmado que, na ausência de respostas do Ministério da Educação para os problemas dos professores, a luta dos professores vai manter-se no próximo ano letivo.

"O próximo ano letivo será do género deste ou até mais [intenso]. Aconteceu de tudo este ano: manifestações, greves, acampamentos, caravanas, concentrações. O que ficou a faltar foi respostas e soluções por parte do Ministério", disse Mário Nogueira à agência Lusa junto à Escola Básica Nuno Álvares, em Carregal do Sal, no distrito de Viseu, onde ficaram por realizar mais de 300 provas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Quem tem medo
    21 jun, 2023 Compra um cão 15:10
    Aliás, eu faltei aos Exames tanto ontem como hoje, apesar de fazer parte dos serviços mínimos, sendo substituído por um "amarelo". Processo disciplinar? Falta injustificada? O diretor fez isso das outras vezes, mas quando a Relação declarou ilegais os serviços minimos, não só teve de arquivar o processo, como agora tem um processo de indemnização à perna - e fui eu que lho pus. Agora, gosta de uma "vida calma" pois não sabe quando vai ter de "vender o Audi" para pagar as indemnizações...
  • Sindico
    21 jun, 2023 5 de Out 11:56
    Deixem de correr atrás do prejuízo e levem mas é os serviços mínimos em Educação, ao Tribunal Constitucional. Não havendo vidas em perigo, e podendo os exames serem realizados noutras datas, isto das "necessidades sociais impreteríveis" é uma falácia destinada unicamente a permitir pedir "serviços Mínimos" e acabar com greves.

Destaques V+