Tempo
|
A+ / A-

Renascença lidera rádios informativas com a confiança de 73,5% dos portugueses

14 jun, 2023 - 00:26 • Lusa com Redação

O valor conseguido pela Renascença é superior ao da TSF (72,6%), ao da RDP Antena 1 (71,3%) e ao da Rádio Observador (69,9%).

A+ / A-

A Renascença reúne 73,5% de confiança dos portugueses no Reuters Digital News Report 2023 (Reuters DNR 2023).

Este é o 12.º segundo relatório anual do Reuters Institute for the Study of Journalism (RISJ) e o 9.º relatório a contar com informação sobre Portugal, em que participam 46 países.

O OberCom - Observatório da Comunicação, enquanto parceiro estratégico, colaborou com o RISJ na conceção do questionário para o mercado português, bem como na análise e interpretação dos dados.

O valor conseguido pela Renascença coloca-a na liderança das rádios informaticas, à frente da TSF (72,6%), da RDP Antena 1 (71,3%) e da Rádio Observador (69,9%).

Em 2023, "o "ranking" da confiança em marcas de notícias continua a ser liderado pelo serviço público de media, sendo que 77,8% dos portugueses dizem confiar na informação veiculada pela marca RTP, que é seguida, de forma muito próxima, pela SIC (78,2%), Expresso (77,3%) e Jornal de Notícias (77,1%).

Em quinto lugar, surge a Rádio Comercial, com 75,8%, seguida do Público, com 75,4%, e da Renascença, com 73,5%.

Em oitavo lugar, e pela primeira vez, surge a única agência de notícias portuguesa, a Lusa.

"A agência Lusa, que surge pela primeira vez este ano no inquérito, tem a confiança de 73,4% dos portugueses, sendo de destacar a particularidade do alcance da Lusa que chega aos consumidores de forma direta, através do seu "website", e de forma indireta através da utilização que as marcas fazem dos "takes" produzidos pela agência", lê-se no relatório.

"Entre as marcas em que os portugueses menos confiam surge a marca Correio da Manhã (55,7%), não obstante ser marca líder no mercado nacional, em formato impresso ou digital", refere o Digital News Report 2023.

O conjunto dos media locais ou regionais regista 65,5% e o "site" Notícias ao Minuto 69,6%.

Além disso, "Portugal destaca-se no conjunto dos 46 países estudados pelo Digital News Report 2023 como o 5.º país onde os respondentes atribuem mais importância pessoal aos serviços de notícias públicos, como os prestados pela RTP - 59,0%".

Os valores do mercado português "são apenas ultrapassados pelo conjunto de países do Norte da Europa - Finlândia (71%), Dinamarca (68%), Noruega (65%) e Suécia (64%)".

O relatório aponta que "os valores de reconhecimento da importância da vertente noticiosa do serviço público prestado pela RTP é ainda maior quando questionados sobre o valor desse serviço para a sociedade em geral", já que dois terços (66%) dos portugueses "afirma que a valência do serviço público de media nacional é relativamente importante ou muito importante".

O reconhecimento do serviço público de media em termos noticiosos é maior "entre os portugueses mais velhos, com maiores rendimentos e maior escolaridade".

O estudo português tem como autores Gustavo Cardoso, Miguel Paisana e Ana Pinto Martinho, investigadores do OberCom e do CIES-ISCTE.

O tamanho total da amostra é de 93.895 adultos, com cerca de 2.000 por mercado.

O trabalho de campo foi realizado no final de janeiro/início de fevereiro deste ano e o inquérito foi realizado "online".

Entre os 46 mercados estão EUA, Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Espanha, Portugal, Irlanda, Noruega, Suécia, Finlândia, Dinamarca, Bélgica, Holanda, Suíça, Áustria, Hungria, Eslováquia, República Checa, Polónia, Croácia e Roménia.

Inclui ainda Bulgária, Grécia, Turquia, Coreia do Sul, Japão, Hong Kong, Índia, Indonésia, Malásia, Filipinas, Taiwan, Tailândia, Singapura, Austrália, Canadá, Brasil, Argentina, Colômbia, Chile, Peru, México, Nigéria, Quénia e África do Sul.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+