Tempo
|
A+ / A-

Utentes e trabalhadores alertam sábado que o SNS "corre o risco de implodir"

18 mai, 2023 - 12:44 • Lusa

Segundo os promotores, a situação de "degradação do SNS" vem-se acentuando há mais de 10 anos, "com um desinvestimento crónico e um subfinanciamento absurdo" das instituições de saúde públicas.

A+ / A-

Profissionais de saúde, utentes e sindicatos do setor participam no sábado numa marcha em defesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS), uma iniciativa que terá uma "forte participação", perspetivam os seus promotores.

"Do nosso ponto de vista, o SNS, se nada for feito, corre o risco de implodir", adiantou à agência Lusa o coordenador Federação dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS), uma das várias entidades que promovem a marcha que vai decorrer nas cidades de Lisboa, Porto e Coimbra.

Segundo Sebastião Santana, a "Marcha pelo Direito à Saúde" tem tido uma adesão "em linha com a importância do SNS", o que quer dizer que vai registar uma "forte adesão" dos trabalhadores da saúde, dos utentes e dos seus movimentos representativos, dos sindicatos e até de outras entidades como associações de bombeiros.

"Estamos a viver um quadro muito difícil para quem trabalha no SNS, mas, mais do que isso, para o próprio serviço público. A falta de recursos é enorme e os profissionais estão exaustos", adiantou o dirigente sindical, para quem, se não forem revertidas as atuais políticas para o setor, pode-se "chegar a um ponto de irreversibilidade".

De acordo com Sebastião Santana, a situação de "degradação do SNS" vem-se acentuando há mais de 10 anos, "com um desinvestimento crónico e um subfinanciamento absurdo" das instituições de saúde públicas.

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM), apesar de não ser uma das entidades promotoras, vai também estar presente na marcha, assegurou à Lusa a sua presidente, alegando que o "SNS precisa mesmo de ser salvo".

"Vamos participar no sentido da defesa da nossa profissão, mas também de todo o SNS", adiantou Joana Bordalo e Sá, ao salientar que "existem médicos em Portugal, não existem é médicos suficientes" nos hospitais e centros de saúde públicos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+