Tempo
|
A+ / A-

Defesa de ex-padre contesta crimes de abuso sexual de crianças

15 mai, 2023 - 16:53 • Lusa

Advogados vão alegar nulidade parcial da acusação.

A+ / A-

A defesa do ex-padre Anastácio Alves, que tentou entregar-se à Procuradoria-Geral da República (PGR) em fevereiro, contesta os crimes de abuso sexual de crianças imputados pelo Ministério Público (MP) e alega nulidade parcial da acusação.

Acusado de quatro crimes de abuso sexual de crianças e de um crime de ato sexual com adolescentes, Anastácio Alves veio, através da contestação apresentada pela sua defesa, defender que seja "declarada a nulidade parcial da acusação ou o arguido absolvido dos quatro crimes de abuso sexual de menores de que vem acusado", sob o argumento de que o MP não concretizou "de forma suficiente" os alegados crimes nem as provas.

"A descrição factual da acusação é manifestamente insuficiente para suportar a conclusão de que, dos indícios recolhidos, resulta uma possibilidade razoável de vir a ser aplicada, em julgamento, uma pena ao arguido, pelo menos quanto aos quatro crimes de abuso sexual de crianças", lê-se na contestação a que a Lusa teve acesso.

Em causa está a imputação do MP na acusação proferida em março de 2022 de que o ex-sacerdote, "em datas e horas não concretamente apuradas, mas pelo menos em quatro ocasiões e dias distintos" entre 14 de fevereiro de 2015 e 13 de fevereiro de 2016 (quando a vítima teria 13 anos), cometeu os crimes de abuso sexual de crianças.

"Atira para o arguido o ónus de fazer uma prova diabólica, negativa, competindo-lhe agora demonstrar que não os praticou", refere a contestação, assinada pelo advogado Miguel Santos Pereira, que aponta a "inexistência de uma sequência lógica entre os factos narrados" e recorre a jurisprudência nacional e internacional para invocar violações dos princípios de presunção de inocência e de tutela jurisdicional efetiva.

De acordo com a defesa, os quatro crimes de abuso sexual de crianças são referidos pela primeira vez "por palavras da Mma. juiz de instrução, e não por declarações do ofendido, que não os quantificou, nem localizou temporalmente", defendendo, por isso, a impugnação da transcrição das declarações para memória futura, uma vez que a vítima teria supostamente dito "quantas vezes" e não "quatro vezes".

"Analisada a totalidade da prova recolhida pelo Ministério Público, apenas se poderá concluir que não foi, nem nunca será, ultrapassada a dúvida razoável sobre a culpabilidade do arguido", indica a contestação sobre esta matéria, salientando também uma possível "omissão de inquérito" por não ter havido investigação relativamente a esses quatro crimes.

O outro crime imputado - ato sexual com adolescentes - terá ocorrido em agosto de 2016, quando a vítima tinha 14 anos, estando descrito na denúncia de 2018 e na acusação do MP.

A contestação da defesa do ex-padre, que pediu à diocese do Funchal para abandonar o sacerdócio em 2019, refutou ainda a argumentação do MP de que o arguido teria fugido à justiça, o que o levou a ser acusado à revelia.

"Nem o arguido andou fugido, nem os órgãos competentes fizeram grande esforço para o encontrar", refere o documento.

Uma nota divulgada no "site" do MP em janeiro de 2023 revelou a emissão de um pedido de cooperação judiciária internacional relativamente a Anastácio Alves, pois as diligências realizadas para o localizar, em França e Portugal, "resultaram infrutíferas".

A PGR explicou que uma detenção no âmbito da tentativa de se entregar à justiça era "inviável" e que o ex-padre assumiu formalmente a condição de arguido com o despacho de acusação, em março de 2022.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+