Tempo
|
A+ / A-

Costa salienta bons resultados, mas avisa que Portugal tem de continuar a pedalar

15 mai, 2023 - 17:58 • Lusa

Bruxelas reviu hoje em alta a projeção de crescimento da economia portuguesa deste ano, mas António Costa alerta que é preciso o trajeto delineado para que a economia continue a dar bons resultados

A+ / A-

O primeiro-ministro afirmou esta segunda-feira que as previsões económicas da Comissão Europeia são uma boa notícia para Portugal, mas advertiu que é preciso "continuar a pedalar" para a economia portuguesa manter a sua trajetória.

Esta posição foi transmitida por António Costa no final da reunião de trabalho com a primeira-ministra islandesa, Katrin Jakobsdotti, depois de interrogado sobre as previsões económicas da Comissão Europeia para a economia portuguesa.

Bruxelas reviu hoje em alta a projeção de crescimento da economia portuguesa deste ano para 2,4%, a terceira maior taxa da zona euro, e estimou uma taxa de inflação de 5,1% em 2023, esperando uma moderação para 2,7% em 2024.

"As previsões efetivamente sinalizam uma expectativa de crescimento mais forte do que aquela que se antevia anteriormente. Portanto, significa que podemos manter a trajetória que temos seguido no sentido de reforçar o impacto da economia na vida dos portugueses", declarou o primeiro-ministro.

Perante esta "boa notícia" de Bruxelas, o líder do executivo português voltou a usar a imagem da bicicleta para a aplicar à economia e para combater uma ideia de conformismo.

"Quando temos uma boa notícia na economia, isso não nos deve fazer descansar. Pelo contrário, deve fazer-nos compreender o seguinte: Tal como nas bicicletas, ou continuamos a pedalar e a economia continua a crescer, ou se paramos então a bicicleta não anda e até pode mesmo descarrilar", disse.

Por isso, para António Costa, "a solução é mesmo continuar a pedalar para que a economia continue a dar bons resultados, traduzindo-se numa melhoria da qualidade de vida dos portugueses".

Segundo o primeiro-ministro, em relação ao futuro, Portugal terá de "continuar a manter um elevado nível de emprego, porque essa é a melhor forma de a economia se traduzir no dia-a-dia das pessoas".

"Em segundo lugar, temos de manter a trajetória de recuperação dos rendimentos, que está patente no acordo de concertação social que assinámos de forma a garantir que, no final da legislatura, os salários dos portugueses aumentam o seu peso no Produto Interno Bruto para 48%, ou seja, a média comunitária", disse.

Também de acordo com António Costa, os mais recentes indicadores revelam que Portugal está em condições de "continuar a adotar o mesmo tipo de medidas de combate à inflação, com redução do IVA, apoios às famílias, aumento intercalar dos vencimentos a pagar este mês à função pública e, em julho, aos pensionistas".

"Esta capacidade de continuar a sustentar as políticas de rendimentos são da maior importância, ao mesmo tempo que continuamos a ter recursos para melhorar o Serviço Nacional de Saúde ou a escola pública", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+