Tempo
|
A+ / A-

Saúde

Cinco unidades de cuidados continuados já anunciaram fecho este ano

12 mai, 2023 - 17:36 • Lusa

Associação Nacional dos Cuidados Continuados alerta que a rede nacional "está a colapsar". São 122 camas, a que se somam 220 de unidades que encerraram nos últimos dois anos.

A+ / A-

Cinco unidades de cuidados continuados informaram este ano que vão fechar, anunciou esta sexta-feira a Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC), alertando novamente que a rede nacional "está realmente a colapsar devido ao subfinanciamento".

Em comunicado, José Bourgain, presidente da ANCC, precisa que aquelas unidades contam no total com 122 camas, que se somam às 220 camas que encerraram nos últimos dois anos.

Deste modo, a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI), com falta de vagas, "perde em pouco mais de dois anos um total de 342 camas", adianta.

Em relação à solução do Governo para alargamento das vagas naquelas unidades recorrendo ao financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que prevê mais 5.500 camas até 2025, o presidente da direção da associação tem muitas dúvidas.

José Bourgain questiona o executivo sobre "que sentido faz lançar um PRR para construção de 5.500 novas camas em Cuidados Continuados", quando "é o mesmo Governo que causa o encerramento das camas já existentes".

Pergunta ainda se "haverá entidades a candidatar-se a essas novas camas", tendo em conta que "o PRR apenas financia 30% do investimento a fundo perdido, (...) que para os restantes 70% as entidades terão de se endividar na banca" e que "as taxas de juro estão a subir fortemente".

"Haverá quem queira investir em Cuidados Continuados e endividar-se sabendo que à partida existe subfinanciamento para a gestão diária destas Unidades", questiona ainda.

Há cerca de dois meses, o responsável já tinha alertado para o facto de o setor estar à beira da rotura, salientando, em declarações à Lusa, que nos últimos 13 anos o Governo atualizou apenas duas vezes os valores pagos, apesar de a legislação determinar "que todos os anos os preços dos cuidados continuados são atualizados com base na inflação do ano anterior e que os preços são revistos a cada cinco anos".

E no mês passado denunciou à Rádio Renascença que, "na região de Lisboa e Vale do Tejo, há quem espere dois anos por uma vaga numa unidade de cuidados continuados de longa duração", considerando que "a culpa não é só da falta de oferta, mas também da falta de coordenação entre a Segurança Social e a Saúde ao nível das várias respostas".

"Seria bom que o Governo esclarecesse o que pretende para a Rede Nacional de Cuidados Continuados", refere no comunicado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • manuel silveiro
    13 jun, 2023 oirem 23:42
    GOVERNO SOCIALISMO SEM PINGO DE CONSCIENCIA NEM RESPEITO, NAO CUIDA DOS DOENTES INCAPACITADOS!! Onde andam os jornalistas!? Portugueses doentes nas UCI, ao abandono, por falta de dinheiro do Estado, enquanto esbanja no combate aéreo a fogos e podia gastar metade em vigilancia preventiva, etc !! GOVERNO TEM OS DOENTES ENTREGUES ÁS UNIDADES DE CUIDADOS MÉDICOS CONTINUADOS/ IINTEGRADOS PARA RECUPERAÇÁO, AO⁰ ABANDONO - Á SUA SORTE - ESPERANDO QUE MORRAM PARA NÃO DAREM DESPESA!! E POR ISSO AS UCI, VÊM CONGELANDO/ ELIMINANDO CAMAS /VAGAS !! Porque não noticiam isto os jornalistas!? UCI, são unidades de cuidados médicos integrados , intercalares entre os Hospitais e os domicilios dos doentes!! Porem estes estão ao abandono pelo Governo Socialismo/SNS, por falta de qualidade / pagamento do Estado em tempo util e na medida dos custos, acrescidos da inflação e dos custos do capital aos Bancos,, tanto ás Misericordias como aos privados equiparados a Entidades Prestadoras de Serviços Médicos Integrados / Sociais!! Razões porque o numero de vagas/camas vem sendo diminuido, em vez do contrário!!

Destaques V+