Tempo
|
A+ / A-

Se a Humanidade consumisse como Portugal, recursos acabavam hoje

07 mai, 2023 - 09:31 • Teresa Almeida com Lusa

Portugal esgotou este domingo os seus recursos e passa hoje a "usar o cartão de crédito ambiental".

A+ / A-

Portugal esgota este domingo os recursos naturais disponíveis para este ano e começa a usar recursos que só deveriam ser consumidos no próximo ano, segundo dados sobre a pegada ecológica do país divulgados pela associação ambientalista Zero.

De acordo com um comunicado da associação, se a humanidade consumisse como Portugal os recursos para este ano acabavam hoje. Ou, dito de outra forma, "se cada pessoa no planeta vivesse como uma pessoa média portuguesa, a humanidade exigiria cerca de 2,9 planetas para sustentar as suas necessidades de recursos".

Em declarações à Renascença, Susana Fonseca, da associação ZERO, diz ser urgente mudar de hábitos, sobretudo alimentares: "Estamos muito longe daquela que é a recomendação de consumo de proteína animal", salienta.

"Consumimos muito mais carne e pescado do que aquilo que é recomendado na roda dos alimentos - cerca de três vezes [mais]. É uma área onde temos muito impacto."

De acordo com a dirigente, uma aproximação à dieta mediterrânica já seria "um bom contributo para a redução da pegada ambiental" dos portugueses.

Os dados atualizados deste ano, em parceria com a organização "Global Footprint Network", indicam que se mantém o mesmo dia do ano passado, 7 de maio, em que o país passa a usar o cartão de crédito ambiental.

É a primeira vez que Portugal estagna no calendário, mas Susana Fonseca não admite, para já, ser sinal de um bom caminho: "Estarmos dois anos com o mesmo dia não é uma má notícia, mas também não podemos já festejar com grande intensidade por termos aqui uma inversão da tendência. Isso ainda não o podemos dizer."

Consumo de alimentos e mobilidade são dos que mais contribuem para a pegada ambiental portuguesa

"Portugal é, já há muitos anos, deficitário na sua capacidade para fornecer os recursos naturais necessários às atividades desenvolvidas (produção e consumo). O mais preocupante é que a "dívida ambiental" portuguesa tem vindo a aumentar", alerta a Zero no comunicado.

Este desequilíbrio, explica, tem a ver com o modelo de produção e de consumo que suporta o estilo de vida no país.

O consumo de alimentos (30% da pegada global do país) e a mobilidade (18%) estão entre as atividades humanas que mais contribuem para a Pegada Ecológica de Portugal e constituem assim pontos críticos para intervenções de mitigação da Pegada. .

A Zero cita dados oficiais para lembrar que a circularidade dos materiais em Portugal é de apenas 2,2%, quando a média comunitária está quase nos 13%, que os portugueses comem cerca de três vezes mais proteína animal do que deviam, em detrimento dos legumes e frutas, e que só 9,7% do consumo final bruto de energia nos transportes provém de fontes renováveis.

Para reduzir a dívida ambiental portuguesa, a Zero defende a aposta numa agricultura virada para alimentos de qualidade, preservando os solos e reduzindo a poluição e o uso de água, o aproveitamento do potencial do teletrabalho, reduzindo deslocações, o investimento em modos suaves de transporte e transportes públicos, bem como na sustentabilidade dos produtos (reparar, reutilizar e reciclar, por exemplo).

E cada português pode contribuir para essa redução. A Zero dá exemplos, a começar pela redução da presença de proteína animal na alimentação, porque cada português come mais proteína animal do que recomenda a roda dos alimentos, metade dos vegetais, um quarto das leguminosas e dois terços das frutas. .

É importante também que as pessoas se movimentem de forma sustentável, quer privilegiando os transportes coletivos, quer andando a pé ou de bicicleta. E que acabem com o hábito do "usar e deitar fora", escolhendo antes "ter menos, mas de melhor qualidade".

De acordo com os dados da "Global Footprint Network" países como a Alemanha (4 de maio) ou a França (5 de maio) também já esgotaram os seus recursos para este ano. Espanha esgota os recursos já no dia 12.

Segundo o mapa, o primeiro país a esgotar os recursos para este ano foi o Qatar, logo a 10 de fevereiro, seguindo-se o Luxemburgo a 14. Em março esgotaram os recursos países como o Canadá, Estados Unidos, Austrália, Bélgica ou Dinamarca, em abril a Suécia, a Áustria, a Rússia ou a Irlanda, e ainda este mês o Reino Unido, a Grécia ou a Hungria. .

Nos meses de verão predominam no mapa os países da América do Sul e a dezembro chegam três países: a Indonésia, o Equador e Jamaica.

Os dados indicam que seriam precisos 5,1 planetas se todos fossem norte-americanos, 4,5 planetas se o mundo fosse como a Austrália e apenas 0,8 planetas se todos vivessem como os indianos.

A Pegada Ecológica avalia as necessidades humanas de recursos renováveis e serviços essenciais e compara-as com a capacidade da Terra para fornecer tais recursos e serviços, a biocapacidade. .

A associação explica que a Pegada Ecológica mede o uso de terra cultivada, florestas, pastagens e áreas de pesca para o fornecimento de recursos e absorção de resíduos (por exemplo, o dióxido de carbono proveniente da queima de combustíveis fósseis), e que a biocapacidade mede a quantidade de área biologicamente produtiva disponível para regenerar esses recursos e serviços.

[Notícia atualizada às 17h18 de 7 de maio de 2023]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+