Tempo
|
A+ / A-

TAP. Sindicato de técnicos diz que nunca se colocaria hipótese de Alexandra Reis ser indemnizada

02 mai, 2023 - 21:27 • Lusa

Já questionado pela deputada socialista Cristina Sousa sobre os canais de diálogo entre a administração e os representantes dos trabalhadores, o dirigente sindical disse nunca ter visto o ex-presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja.

A+ / A-

O presidente do Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA) afirmou esta terça-feira que "nunca se colocaria em hipótese alguma que Alexandra Reis fosse indemnizada num cêntimo" ao abrigo do estatuto do gestor público.

"[Para receber indemnização] um administrador tem de estar no mínimo há 12 meses no cargo e só pode receber no máximo 12 meses de indemnização. Nunca se colocaria em hipótese alguma que a engenheira Alexandra Reis fosse indemnizada num cêntimo, porque não cumpre, cumulativamente desde logo, esses requisitos", afirmou André Teives, na comissão de inquérito à TAP.

O dirigente sindical respondia a questões do deputado Pedro Filipe Soares, do Bloco de Esquerda, sobre como viram a indemnização de 500.000 euros paga à Alexandra Reis, numa altura em que os trabalhadores sofrem cortes salariais.

"A engenheira Alexandra Reis, enquanto esteve na TAP era corta, corta, corta, manda embora. [...] Viva a liberdade, já dizia o outro", respondeu André Teives.

Já questionado pela deputada socialista Cristina Sousa sobre os canais de diálogo entre a administração e os representantes dos trabalhadores, o dirigente sindical disse nunca ter visto o ex-presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja.

"Temos de juntar o momento do doutor Manuel Beja com o momento da engenheira Christine [Oumières-Widener]. Um estava em Portugal e não aparecia e a outra, a engenheira Christine chegou e começou a fazer a volta ao mundo, podia ser 80 dias, mas não foi, foi mais", sublinhou André Teives, referindo-se a um périplo de cerca de dois meses que a ex-presidente executiva fez pelos locais onde a TAP tinha operação.

Para o representante sindical, esta falta de canais de diálogo levou a que "alguns colegas" tenham começado a recorrer à tutela para tratar de questões sobre a TAP.

Antes, na intervenção inicial, André Teives apontou que, em 2009, a TAP tinha 56 aviões e 7.000 trabalhadores e "hoje operou 97 aviões com 7.000 trabalhadores".

"Quem mantém, manteve e manterá a TAP no futuro é, sem dúvida, a resiliência, esforço e dedicação de todos os seus trabalhadores", afirmou.

Já relativamente ao negócio da compra de aviões Airbus, Teives lembrou que, em 30 de abril de 2020, o primeiro-ministro, António Costa, disse em entrevista à RTP que "o Estado português não só tinha conhecimento" do negócio, "como também havia autorizado todo o plano estratégico da TAP, onde se incluía a compra dos aviões".

O dirigente sindical ressalvou não saber se o Governo tinha conhecimento dos moldes em que o negócio foi feito, referindo-se aos chamados fundos Airbus, que terão financiado a capitalização feita pela Atlantic Gateway, de David Neeleman e Humberto Pedrosa, no processo de privatização de 2015.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+