Tempo
|
A+ / A-

Professores admitem desobedecer a serviços mínimos na próxima semana

23 abr, 2023 - 15:10 • Lusa

A greve convocada pelo STOP para 26, 27 e 28 de abril contesta o novo regime de concursos de professores e visa insistir na recuperação de todo o tempo de serviço dos docentes.

A+ / A-

Uma petição pública em defesa de "uma generalizada ação de desobediência" aos "serviços mínimos ilegais" decretados para a greve nas escolas de 26, 27 e 28 de abril reúne já mais de três mil assinaturas, segundo o seu promotor.

"Neste contexto de luta, arrastada no tempo, devido à postura do ministro da Educação, muito mais determinado a anular os efeitos da greve do que a escutar as preocupações dos profissionais do ensino e a resolver as justíssimas reivindicações apresentadas pelos sindicatos, os professores decidiram desobedecer aos serviços mínimos recentemente decretados para a greve do S.TO.P., de 26 a 28 de abril", lê-se na fundamentação do abaixo-assinado.

"Fazem-no por considerarem que são efetivamente ilegais os serviços mínimos que o Ministério da Educação tem vindo a requerer, de forma sistemática, ao Colégio Arbitral da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público, pondo em causa o direito constitucional à greve", acrescenta-se no texto.

Em declarações à Lusa, o professor Luís Costa, que leciona no Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado, em Braga, e que é o primeiro subscritor do abaixo-assinado que circula desde 23 de março, disse este domingo à Lusa que o anúncio de serviços mínimos para os três dias de greve nas escolas na próxima semana - que não abrangem qualquer exame ou prova de caráter nacional nem reuniões de avaliação - levou a um aumento considerável na adesão à petição que se apresenta "contra os serviços mínimos ilegais".


Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    23 abr, 2023 Coimbra 22:56
    Os professores que devem ser o garante da formação dos nossos jovens, vão agora tornar-se criminosos ao violar a Lei?!!! Que exemplo estão a dar aos seus alunos? Não há razão nenhuma para que todos os professores cheguem ao topo da carreira. Por isso, acontecer de qualquer maneira é que temos professores no topo, que nem para varredores das ruas servem..
  • Finalmente!
    23 abr, 2023 5 de out 16:53
    Finalmente um bocado de nervo. Agora, Transformem esse protesto que já tardava, numa atitude generalizada.
  • Maria
    23 abr, 2023 Palmela 14:53
    Deixem o coxo em paz! So gente maluca" e que enfia coisas no olho do homem!

Destaques V+