A+ / A-

Barroso Património Agrícola Mundial faz cinco anos, mas está “seriamente ameaçado pela possível exploração de lítio”

19 abr, 2023 - 07:14 • Olímpia Mairos

Na visão do presidente da Câmara de Boticas, a mina prevista para o concelho vai destruir “habitats e o meio-ambiente”, e tal “fará com que esta região perca a sua maior riqueza e nunca mais se consiga recompor, já que em poucos anos se irá destruir o que levou séculos a construir”.

A+ / A-
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR
Foto: Olímpia Mairos/RR

A classificação do Barroso como Património Agrícola Mundial pode estar em risco se se concretizar a mina de lítio, em Covas de Barroso.

O alerta parte do presidente da Câmara de Boticas precisamente no dia em se assinalam cinco anos da classificação pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Para Fernando Queiroga “o selo de Património Agrícola Mundial é um orgulho para todos os botiquenses e continua a ser um desígnio nosso que este território se perpetue no tempo sob a denominação de Reino Maravilhoso, como afirmava Miguel Torga”.

No entanto - alerta o autarca – é algo que se encontra “seriamente ameaçado pela possível exploração de lítio em Covas do Barroso, o que, a confirmar-se, irá pôr em causa esta classificação, já que afetará uma área muito significativa do Barroso Património Agrícola Mundial”.

Na visão do presidente da Câmara de Boticas, a mina prevista para o concelho vai destruir “habitats e o meio-ambiente”, e tal “fará com que esta região perca a sua maior riqueza e nunca mais se consiga recompor, já que em poucos anos se irá destruir o que levou séculos a construir, levando o Barroso a perder a sua identidade e o carácter diferenciador da sua paisagem e das suas práticas comunitárias”.

A mina do Barroso, que terá uma duração estimada de 17 anos, localizar-se-á nas freguesias de Covas do Barroso, Dornelas e Vilar e Viveiro, em Boticas, mas atravessa ainda a freguesia de Canedo, em Ribeira de Pena.

Está prevista uma exploração de lítio e outros minerais a céu aberto e a área de concessão prevista é de 593 hectares, encontrando-se integrada no sistema agrossilvopastoril da região do Barroso, classificado como Património Agrícola Mundial pela FAO.

Selo de qualidade é importante para o desenvolvimento da região

Reforçando a importância da classificação atribuída ao território há cinco anos, a autarca destaca “as mais valias que a mesma veio trazer à região do Barroso, amplamente promovida durante este período de tempo, atraindo cada vez mais visitantes a este território de caraterísticas únicas”.

No seu entender, “este selo de qualidade” é um importante contributo “para um maior desenvolvimento do Barroso, através da concretização das ações previstas no Plano de Ação do Território GIAHS e da sensibilização dos nossos agricultores, bem como os proprietários florestais, para a preservação do vasto património agrícola, paisagístico e florestal existente na região”.

A região do Barroso, constituída pelos concelhos de Boticas e Montalegre, foi certificada como Património Agrícola Mundial, pela FAO, no dia 19 de abril de 2018, reconhecendo “o sistema agro- silvo-pastoril do Barroso como um importante método de defesa do património agrícola a nível mundial”.

“Teve como fundamento a valorização do mundo rural e dos produtos endógenos, sustentado pela preservação da agricultura tradicional, associada a práticas e métodos ancestrais desenvolvidos pelas comunidades locais, bem como a proteção do meio ambiente e das paisagens”, recorda a autarquia, assinalando o facto de o quinto aniversário de Património Mundial coincidir com o último dia da Consulta Pública relativa ao Projeto de “Ampliação da Mina do Barroso”, que pretende a exploração de lítio em Covas do Barroso.

Um empreendimento que “ameaça seriamente o direito à saúde, ao ambiente e à qualidade de vida, direitos elementares das populações, constitucionalmente consagrados”, sinaliza.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+