Tempo
|
A+ / A-

Polémica

"Cartoon" retirado de exposição em Gaia após críticas da Comunidade Israelita

18 abr, 2023 - 19:56 • Lusa

A "Estrela de David sobreposta no coração de uma imagem desenhada de Hitler é uma ofensa grave e indecorosa", refere a comunidade judaica de Lisboa.

A+ / A-

A Câmara de Gaia anunciou esta terça-feira que o cartoonista Onofre Varela decidiu retirar um "cartoon" que estava exposto na Bienal Internacional de Arte Gaia, após críticas da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL).

Em carta dirigida ao presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, e publicada na manhã de hoje na sua página oficial do Facebook, a CIL considera que o "cartoon" em causa "banaliza o Holocausto cometido pelo regime nazi e diaboliza os judeus na sua relação com a Palestina", acrescentando que a "Estrela de David sobreposta no coração de uma imagem desenhada de Hitler é uma ofensa grave e indecorosa".

"Somos contra a censura, mas o direito de livre expressão deve e pode ser travado quando estimula o ódio e a intolerância. A imagem referida é ultrajante e menoriza o horror e a tragédia do Holocausto. Hitler não tratou os judeus com "desrespeito" como referido no texto do Cartoon, tratou os judeus com um extermínio em massa e com uma desumanidade sem limites", defende esta comunidade.

Em nota enviada ao final da tarde de hoje à agência Lusa, o município de Vila Nova de Gaia reitera que "apoia todas as instituições e iniciativas de relevante interesse municipal, sem exercer qualquer tipo de interferência na sua gestão e organização".

"Jamais o município põe em causa a liberdade de expressão"

No caso da Bienal de Arte de Gaia, a organização do evento e a escolha dos artistas, bem como das respetivas obras, são, refere a autarquia, "da responsabilidade exclusiva da curadoria e da entidade organizadora - Cooperativa Cultural Artistas de Gaia".

"Jamais o município põe em causa a liberdade de expressão. Independentemente disso, entende-se que quando se ferem suscetibilidades num tempo em que a tolerância é um valor fundamental, devem ser tomadas opções. Por isso, constatamos com total agrado a decisão de retirada, pelo artista, do "cartoon" em causa, desta forma evidenciando a sua sensibilidade ao assunto", justifica a Câmara de Gaia.

O município "congratula-se com esta postura e manifesta total solidariedade à comunidade judaica da região e do país".

"Com esta atitude, fica evidenciada a postura de tolerância e diálogo que norteia, sempre, este município", lê-se na nota.

Na carta enviada ao presidente da Câmara de Gaia, a CIL apelava a Eduardo Vítor Rodrigues que se se solidarizasse com esta posição, manifestasse o seu descontentamento e, "se preciso fosse", que retirasse o apoio "público, financiado pelos contribuintes" à iniciativa que, "a coberto da arte, profana a memória de milhões de vítimas que pereceram às mãos de um regime assassino, sanguinário e impiedoso".

Em resposta enviada à Lusa na manhã de hoje, o diretor da Bienal Internacional de Arte Gaia, Agostinho Santos, sublinha que o certame se "assume como uma Bienal de Causas" e, nesse sentido, "assume o compromisso de dar liberdade a cada artista para expressar a sua visão do Mundo, independentemente das orientações individuais manifestadas".

"O trabalho de Onofre Varela, reconhecido cartoonista, faz referência a Israel na sua perspetiva e já foi publicado há alguns anos na comunicação social. Não significa isso que a Bienal se identifique com qualquer expressão política manifestada pelos artistas representados, mas jamais impedirá que a sua liberdade de expressão seja limitada", vinca Agostinho Santos.

Segundo a organização, a 5.ª edição da Bienal Internacional de Arte Gaia - arrancou a 8 de abril e prolonga-se até 08 de julho -- "leva à Quinta da Fiação, em Lever, 20 exposições que reúnem mais de 300 artistas de várias nacionalidades para agitar consciências numa "Bienal de Causas", que este ano homenageia Carlos Carreiro e João Jacinto".

Com direção a cargo de Agostinho Santos e apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, a Bienal Internacional de Arte Gaia reforça, acrescenta a organização, "a descentralização num plano de recuperação de áreas industriais, ocupando dois pavilhões da antiga Companhia de Fiação de Crestuma ao longo de 6 mil metros quadrados de área de exposição".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+