Tempo
|
A+ / A-

Investigador do CES Coimbra. Denúncias de assédio são "insinuações fantasiosas"

12 abr, 2023 - 13:54 • Lusa

Bruno Sena Martins, um dos acusados de usar o seu poder sobre jovens estudantes e investigadoras para "extrativismo sexual", diz que capítulo de livro com denúncias de assédio "incita ao linchamento público" e "contém gravosas mentiras".

A+ / A-

O investigador do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra Bruno Sena Martins disse hoje que o capítulo de livro com denúncias de assédio na academia "incita ao linchamento público" e "contém gravosas mentiras e insinuações fantasiosas".

"Por ora, quero deixar as declarações mais detalhadas para as instâncias próprias. Afirmo, no entanto, que o capítulo que incita ao linchamento público, agora em curso, contém gravosas mentiras e insinuações fantasiosas que ferem a minha dignidade e que atingem a minha reputação profissional", afirmou hoje, à agência Lusa, Bruno Sena Martins.

Em resposta a um contacto da agência Lusa, o investigador remeteu um email no qual dá conta que "os factos serão esclarecidos nas instâncias competentes", evidenciando que acredita que "a justiça será feita e que as mentiras serão cabalmente expostas".

"Num ambiente justicialista, qualquer que seja, é muito precário e doloroso qualquer exercício de contraditório. Quem acredita na democracia e na dignidade humana sabe que ela também cumpre pelo direito à defesa e ao devido processo", acrescentou.

O Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (UC) está a investigar denúncias de assédio envolvendo dois membros da academia, que são visados no capítulo do livro "Sexual Misconduct in Academia - Informing an Ethics of Care in the University" (Má conduta sexual na Academia - Para uma Ética de Cuidado na Universidade), disponibilizado "online" a 31 de março.

As autoras do capítulo, a belga Lieselotte Viaene, a portuguesa Catarina Laranjeiro e a norte-americana Myie Nadya Tom, estiveram no CÊS, como, respetivamente, investigadora de pós-doutoramento (com uma bolsa Marie Curie) e estudantes de doutoramento.

Apesar do último de 12 capítulos do livro não divulgar os seus nomes, o Diário de Notícias (DN) noticia hoje que "também não é difícil perceber que os dois homens referidos nesse capítulo como protagonizando condutas sexuais inapropriadas, crismados na narrativa como "The Star Professor" (o professor estrela) e "The Apprentice" (o aprendiz) são, respetivamente, o sociólogo Boaventura Sousa Santos, diretor emérito do CES, e o antropólogo Bruno Sena Martins, investigador do quadro da instituição".

A agência Lusa tentou contactar, sem sucesso até ao momento, o sociólogo Boaventura Sousa Santos, que ao DN negou qualquer comportamento inapropriado.

Segundo o jornal, os dois membros do Centro de Estudos Sociais de Coimbra são acusados de usarem o seu poder sobre jovens estudantes e investigadoras para "extrativismo sexual", enquanto a instituição é visada por silenciamento e cumplicidade.

Na sua página oficial, a direção e a presidência do conselho científico do CES assinam um comunicado no qual indicam que a instituição está comprometida com o tratamento diligente deste tipo de ocorrências, tendo, por isso, decidido "averiguar a fundamentação das alegações produzidas" no capítulo do livro.

"Nesta medida, o CES irá constituir num curto prazo uma comissão independente à qual caberá a identificação de eventuais falhas institucionais e a averiguação da ocorrência das eventuais condutas antiéticas referidas naquele capítulo", informa.

De acordo com o CES - associação privada sem fins lucrativos estatutária e juridicamente independente da UC -, esta comissão será composta por dois elementos externos, um dos quais lhe presidirá, e pela provedora do CES. .

"Os membros externos a convidar terão competências reconhecidas no tratamento de processo análogos", refere.

A Lusa tentou contactar também, sem sucesso, a direção do CES, que se encontra reunida em assembleia geral.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+