Tempo
|
A+ / A-

TAP. Sindicato defende contratação de pelo menos 80 pilotos

08 abr, 2023 - 22:01 • Lusa

Em relação a uma eventual venda da TAP, o sindicalista defendeu que esta só deverá avançar se o "hub" se mantiver em Lisboa mas indicou que, mesmo com uma boa gestão do novo presidente executivo, esse processo será irreversível.

A+ / A-

O presidente do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), Tiago Faria Lopes, disse que é necessária a contratação de pelo menos 80 pilotos na TAP, indicando que desde janeiro saíram 20 pilotos da transportadora aérea.

"Neste início do mês de abril estavam em aberto 137 voos, de copiloto, de comandantes ou de tripulação mista. Diria que, pelo menos, 80 pilotos deveriam ser contratados", afirmou Tiago Faria Lopes, em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, indicando que neste momento a TAP tem cerca de 1.200 pilotos.

Segundo o presidente do SPAC, "infelizmente" no verão vai provavelmente assistir-se a atrasos nos voos e a caos no aeroporto, porque continua a não existir capacidade de resposta, num aeroporto que está "obsoleto".

Em relação a uma eventual venda da TAP, o sindicalista defendeu que esta só deverá avançar se o "hub" se mantiver em Lisboa mas indicou que, mesmo com uma boa gestão do novo presidente executivo (CEO), esse processo será irreversível.

Para Tiago Faria Lopes, também não serão os lucros de 66 milhões de euros que a TAP apresentou que irão influenciar a compra, até porque para ser comparável com as suas congéneres, devia ter tido 250 milhões de lucro.

O sindicalista considerou ainda que, se continuar a existir interferência política na TAP, como ficou confirmado na comissão de inquérito parlamentar, qualquer gestor, por muito bom que seja, não vai conseguir atingir os objetivos.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+