Tempo
|
A+ / A-

Presidente da Câmara de Kiev recebe Chave de Honra da Cidade de Lisboa

04 abr, 2023 - 12:58 • Susana Madureira Martins , Olímpia Mairos

No decorrer da cerimónia, Vitali Klitschko pediu a ajuda da Europa para o pós-guerra e a reconstrução da Ucrânia, insistindo na entrada urgente do país na União Europeia.

A+ / A-

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, entregou, esta terça-feira, a Chave de Honra da Cidade de Lisboa ao seu homólogo de Kiev, Vitali Klitschko.

No discurso que proferiu, no salão nobre da autarquia, o autarca de Kiev pediu a ajuda da Europa para o pós-guerra e a reconstrução da Ucrânia, insistindo na entrada urgente do país na União Europeia.

“Temos de ter sucesso na economia, sucesso político e temos de ter sucesso na guerra para defender o nosso país. Esperamos muita ajuda dos nossos amigos para fazer reformas e levar a Ucrânia à grande família europeia. É de resto a nossa prioridade e o principal objetivo”, disse.

No salão nobre da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, garantiu que a cidade irá apoiar sempre a Ucrânia, e lamentou que a Europa se tenha dado conta da importância da NATO apenas com uma guerra em pleno território.

“Lembro-me de as pessoas dizerem na UE: ‘Ah, a NATO é inútil’. Não, este é o regresso da história, o despertar de todos nós, que nos deu na Europa uma razão para estarmos unidos”, defendeu Moedas.

O presidente da autarquia de Lisboa disse ainda que “é uma pena que a razão seja a guerra, mas é o que é”.

“Lembro-me que Putin falava da finlandização da NATO. Sabem que mais? Ele meteu a Finlândia na NATO. Foi exatamente ao contrário”, observou.

O autarca de Kiev está a visitar várias cidades do mundo para pedir ajuda com vista à defesa da Ucrânia e a libertação do território dos invasores russos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+