A+ / A-

"Um homem único". Parlamento unânime no voto de pesar a Rui Nabeiro

24 mar, 2023 - 14:44 • Lusa com Redação

O parlamento aprovou hoje, por unanimidade, um voto de pesar apresentado pelo presidente da Assembleia da República pela morte de Rui Nabeiro, empresário de Campo Maior, no qual se destaca o seu humanismo e consciência social.

A+ / A-

O parlamento aprovou esta sexta-feira, por unanimidade, um voto de pesar apresentado pelo presidente da Assembleia da República pela morte de Rui Nabeiro, empresário de Campo Maior, no qual se destaca o seu humanismo e consciência social.

Rui Nabeiro faleceu no domingo, aos 91 anos, em Lisboa, e o seu funeral, na terça-feira, em Campo Maior, teve a presença dos titulares dos principais órgãos de soberania: Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, presidente do parlamento, Augusto Santos Silva, e primeiro-ministro, António Costa.

Com familiares de Rui Nabeiro nas galerias, ainda antes da votação o ex-secretário de Estado e deputado socialista Ricardo Pinheiro fez uma intervenção emocionada, que foi aplaudida de pé por todas as bancadas, à exceção da deputada única do PAN, Inês Sousa Real.

Ricardo Pinheiro caracterizou o empresário de Campo Maior como "um homem único", com uma enorme capacidade de "inspirar pessoas". "Aconteceu assim comigo. Inspirou Portugal", declarou, dizendo que Rui Nabeiro, socialista, apreciava sobretudo o entendimento interpartidário.

Também o líder parlamentar do Chega, Pedro Pinto, elogiou a figura de Rui Nabeiro, considerando-o "uma grande exemplo para os jovens" e "enorme português".

No voto, da autoria de Augusto Santos Silva, salienta-se que Rui Nabeiro foi um "extraordinário empresário, dotado de uma invulgar sensibilidade social, que granjeou o respeito e a admiração dos portugueses".

"Com apenas o ensino primário concluído, Rui Nabeiro construiu um dos negócios mais bem-sucedidos em Portugal (a Delta Cafés), fortemente implantado na sua terra natal. Já isto seria suficiente motivo de reconhecimento público", refere-se no texto.

Porém, de acordo com o presidente da Assembleia da República, "Rui Nabeiro era muito mais do que um tradicional homem de negócios".

"Era alguém que tinha uma genuína consciência social e que entendia (e praticava) a atividade empresarial como um esforço pelo bem comum. Rui Nabeiro foi um grande empregador, amigo dos seus trabalhadores, autarca (foi presidente da Câmara Municipal de Campo Maior) e um cidadão exemplar. Uma figura cujo percurso de vida é, desde há muito, motivo de admiração, que a todos deve inspirar", sustenta-se.

No voto realça-se ainda que Rui Nabeiro se assumia como "socialista, em grande parte por ter crescido numa região, o Alentejo da sua infância, onde, dizia: As pessoas sentiam que não existia futuro para os filhos".

"Isto moldou o seu perfil humanista e solidário, a sua preocupação pelo próximo, em particular pelos filhos da sua terra, que serviu como empresário, autarca e cidadão. Como foi público e notório desde a notícia da sua morte, Rui Nabeiro deixa saudades junto de tantos os que tiveram o privilégio de o conhecer e de ser tocados pelo seu profissionalismo e generosidade", observa-se ainda.

Neste texto, assinala-se que Rui Nabeiro teve "múltiplas distinções públicas, como na atribuição, em 1995, pelo Presidente da República Mário Soares, do grau de Comendador da Ordem Civil do Mérito Agrícola, Industrial e Comercial - Classe Industrial, ou, em 2006, pelo Presidente Jorge Sampaio, do grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique". "Também foi distinguido com o doutoramento Honoris Causa pela Universidade de Évora, pela Universidade Lusófona e, mais recentemente, pela Universidade de Coimbra", acrescenta-se.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+