A+ / A-

PJ detém patrão do grupo Impala

23 mar, 2023 - 10:17

Fraude de cem milhões investigada na operação "Última Edição". Filho de Jacques Rodrigues também foi detido.

A+ / A-

Jacques Rodrigues, patrão do grupo Impala, foi detido esta quinta-feira de manhã pela Polícia Judiciária, avança a CNN Portugal. Da Impala fazem parte títulos como a revista Maria ou a TV 7 Dias.

Um filho de Jacques Rodrigues também foi detido, para além de outras duas pessoas: o advogado e o contabilista do "patrão" da Impala.

Em comunicado, a Polícia Judiciária confirma apenas a realização de detenções por corrupção, numa operação que recebeu o nome de "Última Edição".

Segundo a CNN Portugal, Rodrigues "é suspeito de crimes relacionados com a insolvência dolosa de sociedades onde acumulou uma gigantesca fraude na ordem dos 100 milhões de euros, para se eximir a dívidas do mesmo valor a credores, repartidas entre trabalhadores das empresas - muitos deles jornalistas das várias publicações - e o Estado".

"A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, procedeu, no dia de hoje e no âmbito de inquérito titulado pelo DIAP de Sintra, à realização de uma operação policial visando a execução de trinta e dois mandados de busca, designadamente, oito buscas domiciliárias e vinte e quatro buscas não domiciliárias", é dito.

A ação policial desenvolveu-se "em Lisboa, Sintra, Cascais, Oeiras, Amadora, Santo Tirso, Porto, Matosinhos e Funchal". Dez arguidos foram constituídos e quatro mandados de detenção executados.

A PJ pretendeu, com esta operação, recolher "elementos probatórios complementares e relacionados com suspeitas de atividades criminosas fortemente indiciadoras da prática dos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, insolvência dolosa agravada, burla qualificada e falsificação ou contrafação de documentos".

Seis buscas foram feitas em empresas "com atividade no domínicio da comunicação social, quatro em Sociedades/Gabinetes de Revisores Oficiais de Conta e uma em escritório de Advogado".

"Em causa está uma investigação criminal cujo objeto visa um plano criminoso traçado para, entre o mais, ocultar a dissipação de património, através da adulteração de elementos contabilísticos de diversas empresas, em claro prejuízo de diversos credores, v.g., os trabalhadores, fornecedores e o Estado, estando reconhecidos créditos num valor total de cerca de 100.000.000,00€ (cem milhões de euros)".

"Acresce a forte indiciação do desvio de valores com origem nas estruturas societárias, para fora do território nacional, num montante global que ascenderá a largas dezenas de milhares de euros".


[notícia atualizada às 11h01 de 23 de março de 2023]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    23 mar, 2023 Palmela 12:03
    Xi mae" vai tudo parar no xelindro!
  • João Lopes
    23 mar, 2023 Porto 11:47
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões» Agostinho de Hipona (354-430).

Destaques V+